Cristovam afirma que teme autoritarismo de Lula

O candidato a presidente da República pelo PDT, Cristovam Buarque, reforçou neste sábado, no Recife, seu temor diante de "uma tendência de golpe autoritário", pelo presidente Lula (PT), ao comentar a proposta do presidente de convocar uma Assembléia Nacional Constituinte. "Vejo essa iniciativa como uma polegada antes de uma tentativa de golpe", avaliou ele, durante almoço de confraternização com amigos, simpatizantes e defensores da sua candidatura, em uma churrascaria da cidade.O perigo é maior, segundo ele, no caso de o presidente ser reeleito no primeiro turno das eleições. "Imagine um presidente sair com cerca de 50 milhões de votos e com um congresso constituinte", observou. "Ele vai ditar a constituição porque tem o poder de liderança e tem o poder executivo que pode corromper através das práticas mensaleiras que já se viu no passado". Para Cristovam, neste momento, uma constituição subordinada ao presidente é um "suicídio institucional", é caminhar para o autoritarismo, com a possibilidade de o primeiro artigo a ser discutido ser mais uma eleição para o presidente que for eleito.Na sua avaliação as pesquisas indicam que haverá segundo turno, o que considera salutar. E ainda confia que o Nordeste, onde o presidente Lula é franco favorito, "vai dar uma surpresa ao Brasil". Por enquanto, ele teme "profundamente" que uma reeleição de Lula no primeiro turno leve a tentações autoritárias. "A proposta de uma constituinte é uma antecipação disso", frisou. "Ele nem esperou ser eleito para começar a propor gestos dentro de uma estratégia autoritária".Em relação à prestação de contas de campanha do presidente Lula, Cristovam disse se surpreender pela quantidade de dinheiro envolvido. "De onde vem? Que compromissos estão sendo assumidos? Lembrem-se do que houve antes, Marcos Valério e companhia", advertiu.AgendaO candidato iniciou neste sábado, no município metropolitano de Paulista, uma visita de três dias ao seu Estado Natal. Apoiado pelo prefeito de Paulista Yves Ribeiro (PPS), ele fez caminhada na feira e comércio popular local, com muitos apertos de mão e beijinhos - inclusive de uma drag queen, Chica Chikete, que fazia promoção de uma loja - encerrando o ato com discurso. Em seguida, foi ao mercado público da Madalena, no bairro da Madalena, no Recife, onde encontrou amigos antigos que não via há décadas e recebeu apoio de muitos clientes do local. Depois do almoço de confraternização, no bairro do Derby, seguiu para cumprir uma agenda em Gravatá e Caruaru, no agreste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.