Cristovam Buarque pedirá a ministros que intercedam a favor da avó de Sean

Ao lado do senador, Silvana Bianchi disse que esteve nos EUA, mas não conseguiu ver o neto; para chefe da Comissão de Direitos Humanos do Senado, questão é de 'soberania nacional'

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2010 | 19h55

BRASÍLIA - Sem se referir à batalha judicial que terminou com a concessão da guarda e a autorização para o pai biológico David Goldman viver com seu filho Sean Goldman nos Estados Unidos, o presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Cristovan Buarque (PDT-DF), disse nesta terça-feira, 20, que procurará os ministros Celso Amorim, das Relações Exteriores, e Paulo Vanucchi, dos Direitos Humanos, para defender o direito da avó do garoto, Silvana Bianchi, de ter notícias do neto que vive nos EUA desde dezembro.

 

Ao lado do senador, a quem pediu ajuda, Silvana Bianchi contou que, há 15 dias, esteve nos Estados Unidos, mas não conseguiu nem ver o garoto, de 9 anos. "O Sean tem o direito de falar com seus avós. Vim pedir que o nosso direito de cidadão brasileiro seja escutado", afirmou ela.

 

Cristovam disse que pedirá à Comissão de Relações Exteriores, do Senado, que atue no episódio, considerado por ele "uma questão de soberania nacional e de direitos humanos". "Como é que um cidadão brasileiro, menor de idade, é levado para fora do País? Isso não está bem explicado. Qual foi o papel da Justiça e da polícia?", questionou Cristovam.

 

O senador disse que não se trata de obter a guarda de Sean para os pais de falecida mãe do garoto - a brasileira Bruna Bianchi -, e sim de assegurar a eles o direito de saber como está o neto. "Isso é uma questão de governo, o Senado tem obrigação de esclarecer o assunto", afirmou o senador, justificando sua decisão de levar a questão aos ministros Amorim e Vanucchi.

Mais conteúdo sobre:
caso Sean

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.