Cristovam chama Bolsa Família de `tragédia social´

O candidato à Presidência pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), Cristovam Buarque, iniciou a sua campanha eleitoral, hoje, por Minas Gerais, criticando o programa Bolsa Família, um dos carros-chefes do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Prometendo elevar os repasses para a Educação, caso seja eleito, Buarque chamou o Bolsa Família de `tragédia social´, durante o 32º Congresso Nacional dos Jornalistas, na cidade história de Outro Preto, que contou com a presença de vários estudantes.No encontro com os estudantes e profissionais de comunicação, que discutiam políticas para o setor no Brasil, o pedetista disse que as famílias brasileiras, ao serem submetidas ao programa Bolsa Família, foram convencidas a permanecerem na pobreza. "Com esse programa (Bolsa Família), as famílias aceitaram perpetuar a pobreza, pois só assim receberiam o benefício. E isso é uma tragédia social. Já o Bolsa Escola abria perspectivas para essas mesmas famílias", afirma Buarque. Além de `desaprovar´ os programas sociais do governo federal, Buarque aproveitou para criticar o atual modelo de política econômica do governo que, segundo ele, não é voltado para os mais pobres. Porém, apesar das críticas, o pedetista não quis antecipar quais seriam as suas propostas para o setor. "Economia é uma área muito dinâmica. Não dá para antecipar o que deverá ser debatido apenas daqui alguns meses. O certo é que a atual política não resolve um problema básico, que é a desigualdade social", afirma. Após o debate, Buarque seguiu em caminhada pelo centro histórico da cidade. Nesta sexta-feira, o candidato visita Ouro Branco, onde encontra-se com metalúrgicos e, em seguida, parte para Conselheiro Lafaiete, onde deve encontrar-se com o prefeito da cidade, Júlio César de Almeida Barros, para inaugurar o comitê de sua candidatura na cidade. No sábado, ele segue para Barbacena e Juiz de Fora, onde se encontrará com o candidato do PDT ao Senado, Omar Peres, e com o ex-presidente Itamar Franco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.