Cristovam critica postura de Lula no combate ao crime organizado

O candidato do PDT à Presidência da República, senador Cristovam Buarque, foi nesta segunda-feira à tribuna do Senado para criticar a postura de Lula no combate ao crime organizado e apontar soluções para o problema. Sem citar o nome do presidente, Cristovam disse que o Brasil não enfrenta apenas o problema da violência. Segundo ele, "o País caiu no abismo da guerra civil". "O que temos hoje é uma guerra onde bandidos tomam conta das ruas, com trincheiras que não precisam nem mesmo ser construídas". No discurso, Cristovam enfatizou que o problema do Brasil da segurança pública deve ser combatido pelo presidente da República. "É preciso que o presidente traga o problema para o seu colo, não fuja à responsabilidade como temos visto", disse. O senador salientou que a violência diária das ruas, como por exemplo os pequenos roubos, existe há séculos e que cabe aos prefeitos e governadores o combate a esse tipo de crime. "É preciso transformar as polícias que existem hoje em uma polícia para o País, sem que elas percam sua especificidade. Esse assunto não pode ser tratado pelos Estados, tem de ser trazido para o nível federal. É possível, os recursos existem, falta apenas trazer para o chefe da Nação o compromisso e a obrigação de cuidar desse assunto", afirmou Cristovam.O candidato apresentou alguns pontos para lidar com o problema. O principal seria a criação de uma agência federal de segurança interna, ligada à Presidência da República, para coordenar a ação de todas as polícias. A essa agência estaria ligado um sistema de informação e inteligência para prever e antecipar a ação criminosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.