Cristovam diz que não muda o discurso por causa de pesquisas

Apesar das sucessivas pesquisas que indicam a estagnação de sua candidatura no patamar de apenas 1% das intenções de voto, o senador Cristovam Buarque, candidato do PDT à Presidência, disse nesta quarta-feira, 9, que não vai mudar em nada a sua estratégia de campanha. Nas pesquisas Datafolha e CNT/Sensus divulgadas na terça-feira, Cristovam manteve o índice. "Se querem saber do meu 1% (nas pesquisas), quanto mais eu cair, mais eu vou batalhar pela educação do Brasil", disse Cristovam aos jornalistas, ao desembarcar no Rio no início da tarde desta quarta-feira. Ele disse que não há possibilidade de alterar seu discurso político e que não pretende abrir mão de privilegiar a bandeira da educação. "Como é que eu vou mudar a causa de minha vida? Só sou candidato para fazer com que o Brasil tenha uma revolução na educação", afirmou. O senador não soube avaliar, diante do que mostram as pesquisas, se os eleitores estão entendendo sua mensagem. "Ou estão entendendo e não querem educação ou não estão entendendo. Mas eu vou continuar falando. Se não for eu, depois virá um outro que o povo vai entender. Mas sem educação, nada tem solução", disse. Para o pedetista, sua missão é mostrar que a educação é a raiz de problemas como a violência, a corrupção e a ineficiência. "Eu vejo o Brasil se desfazendo e a gente falando de pesquisa", queixou-se.ExposiçãoCristovam viajou para o Rio para ser entrevistado nesta quarta-feira no Jornal Nacional, na TV Globo.A coordenação da campanha pedetista aposta na exposição na TV e no início do horário eleitoral gratuito para superar o que diagnosticam como desconhecimento sobre a candidatura de Cristovam. "Estamos nos reunindo para ter um diálogo mais forte com a população. A propaganda gratuita é que marcará a campanha", espera o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que concorda com o senador na manutenção do discurso da educação como um diferencial em relação aos outros candidatos. Cristovam terá pouco mais de 2 minutos de programa por bloco no horário eleitoral gratuito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.