Critério para bolsa do ProUni

O Ministério da Educação (MEC) oferece a uma família com renda de até três salários mínimos por pessoa e com filho na escola pública bolsa de estudo de 50% pelo ProUni. Mas não se enquadra nesse programa a família que, tendo a mesma renda, põe o filho na rede particular. Apesar da origem humilde, sempre valorizei muito a educação e me sinto discriminada por isso. A educação pública no Brasil está entre as piores do mundo e é ainda pior em periferias. Serei punida por ter me sacrificado para pagar por uma melhor educação para minha filha? Pode o governo agir assim? A Constituição não proíbe qualquer tipo de discriminação? LUCIANE CHARAPA São Paulo A Assessora de Comunicação Social da Secretaria de Educação Superior do MEC, Nair Rúbia Baptista, informa que o Programa Universidade para Todos (ProUni) foi instituído em 2005 e podem participar dele os estudantes que tenham feito o Enem e tenham renda familiar de até três salários mínimos por pessoa e que tenham cursado o ensino médio completo em escola pública ou em escola privada na condição de bolsista integral da instituição. Também podem se candidatar os estudantes que tenham cursado o ensino médio parcialmente em escola pública e parcialmente em escola privada com bolsa integral da instituição. A leitora contesta: Tudo isso já já era sabido por mim e, aliás, minha reclamação foi devidamente ignorada. Continuo achando o critério discriminatório e me sinto ainda mais indignada por saber que o MEC não pretende abrir espaço para discutir o assunto. Desrespeito em lotação É lamentável o transporte público de São Paulo estar nas mãos de tanta gente incompetente e irresponsável. Depender de ônibus é horrível, eles estão sempre atrasados e superlotados. Porém depender das famosas lotações é muito pior. Os motoristas desses micro-ônibus dirigem imprudentemente, param fora dos pontos e tratam mal os passageiros. Às vezes, a falta de respeito é tão grande que eles ignoram o sinal de parada feito até por idosos. Em 18 de agosto, por volta das 18 horas, pude ver meu pai dando sinal para a lotação Terminal Capelinha, veículo n.º 85.290, numa travessa da Estrada do Campo Limpo. O veículo só parou, a metros de distância, por conta do farol fechado e não abriu suas portas, ignorando por completo um senhor de 72 anos, que, entre os carros parados, batia na porta. Essa atitude que humilha a população não pode permanecer impune. O Estado ou a Prefeitura não podem se ausentar a ponto de permitir esses absurdos. ANTONIO C. D? ABRONZO AMORIM São Paulo Marco Siqueira, da Assessoria de Comunicação Social SPTrans, pede desculpas ao leitor pelos transtornos relatados. Ressalta que motoristas e cobradores, sejam eles de cooperativas ou permissionários (ex-perueiros), recebem orientações de como tratar os passageiros. Tratar os passageiros com desrespeito e não obedecer ao sinal de embarque e desembarque não são atitudes toleradas e são consideradas infrações graves pelo Regulamento de Sanções e Multas da SPTrans. Com os dados enviados pelo usuário, a cooperativa identificou o operador, que está sujeito às punições do regulamento interno do consórcio. As reclamações podem ser feitas pela central 156, que recebe ligações 24 horas por dia, ou pelo site www.sptrans.com.br, na seção Contato. Mudou a classificação? Em maio de 2008 reclamei de uma obra comercial em minha rua, que é Zona 1 (estritamente residencial), e consegui que a Subprefeitura de Pinheiros a paralisasse e multasse. Mas neste mês a obra voltou a todo vapor, inclusive com tratores quebrando muros e transtornando os moradores com o excesso de barulho. Será que a Subprefeitura de Pinheiros decidiu autorizar essa obra comercial numa área que ela mesmo classificou como estritamente residencial? Por que será que mudou de ideia? CARLOS ALBERTO BANDEIRA BERÉA São Paulo A Subprefeitura de Pinheiros não respondeu. Motos nas marginais Existe algum estudo sobre os prejuízos para a cidade sempre que uma das vias das marginais é interditada para socorrer um motociclista acidentado? Não havia um projeto para proibir o tráfego de motocicletas nas marginais? LUÍS CLÁUDIO KAKAZU São Paulo Por que não se constrói uma pista exclusiva para motos nas marginais? ROBERTO ARMANDO DE MELLO São Paulo

, O Estadao de S.Paulo

29 Agosto 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.