Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Crivella promete debater réveillon alternativo após reclamação de hotéis e restaurantes

'Nós estamos pensando em fazer o réveillon de outro jeito. Como é que é o réveillon de outro jeito? Ah, nós vamos fazer tudo virtual', disse prefeito do Rio em vídeo

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2020 | 14h32

RIO - O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, contou que integrantes dos setores de hotelaria e restaurantes receberam com descontentamento a notícia de que não seria possível fazer a festa de Réveillon presencial na Praia de Copacabana, na zona sul da cidade, como consequência da pandemia do novo coronavírus. No sábado, 25, a prefeitura informou que não realizaria o tradicional formato da celebração, que costuma reunir milhões de pessoas na orla para o show de fogos de artifícios e atrações musicais.

“Não foi adiado, nós estamos pensando em fazer o réveillon de outro jeito. Como é que é o réveillon de outro jeito? Ah, nós vamos fazer tudo virtual. Mas deu uma confusão danada, porque o pessoal dos hotéis ligaram brabos pra mim, ligaram brabos, e o pessoal dos restaurantes também, ‘Ô, Crivella que história é essa?’. Então vamos agora essa semana fazer uma reunião com a imprensa para tratar do assunto”, diz Crivella em trecho de uma gravação distribuída à imprensa.

Em nova nota, a Riotur ressalta que ainda vai apresentar “um novo modelo para a festa, com possibilidades virtuais, devido à pandemia” e destaca que “fogos serão mantidos”, embora não tenha esclarecido o lugar de exibição nem se será permitida presença de público. Segundo a Prefeitura, Crivella discutirá ainda a proposta de novo formato para a festa do réveillon 2021 com o setor de hotéis, restaurantes e demais envolvidos.

“O que o pessoal da Riotur me disse é isso: se continuar a pandemia, não tiver um antirretroviral, ou uma vacina, nós vamos ter que fazer aquilo virtual. E vamos discutir com os hotéis, discutir também com os restaurantes, como será feito isso”, declara Crivella no vídeo.

 

São Paulo cancela réveillon e adia carnaval

prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou, no dia 17 de julho, o cancelamento do réveillon na Avenida Paulista. O evento de virada de ano atraiu 2 milhões de pessoas na última edição, das quais 41% não residiam na capital. A festa de ano-novo costuma incluir apresentações musicais e queima de fogos.

carnaval de rua e os desfiles das escolas de samba de São Paulo estão adiados para uma data ainda a ser definida em 2021. Há propostas para que as festividades ocorram no fim do mês de maio ou em julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.