CTT afirma ter entregue relatório de segurança

A direção do Centro de Treinamento Tático (CTT) de Ribeirão Pires, na Grande São Paulo - de onde foram roubadas 89 pistolas, 20 fuzis, um revólver e 160 projéteis - entregou anteontem a documentação sobre a estrutura de segurança do local, exigida pelo Exército. O crime ocorreu no dia 5 e, até o momento, apenas um revólver calibre 22 foi recuperado. Ninguém foi preso.Segundo a assessoria do CTT, a documentação foi entregue pessoalmente por uma advogada aos representantes do Exército em São Paulo. O prazo de 15 dias venceu ontem à tarde. De acordo com o coronel César Augusto Moura, chefe de Comunicação Social do Comando Militar do Sudeste, não havia a confirmação do recebimento do documento.Em caso de perda do prazo, segundo Moura, o Exército fará "à revelia" um estudo sobre as condições de segurança do local, sem que os representantes do CTT possam opinar. A documentação é fundamental para a conclusão do processo administrativo coordenado pelos militares. Dependendo do resultado, a direção do centro de treinamento pode ser penalizada com um multa ou até mesmo com a cassação da licença de funcionamento. A conclusão deverá sair em duas semanas.No dia 5, homens vestidos de preto, encapuzados, usando luvas e armados com pistolas .40 invadiram o CTT. Eles renderam o vigia e fugiram com as armas, sem deixar pistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.