Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cuidado ao comprar veículo

Comprei, transferi e licenciei um carro Celta, em agosto de 2008, e, na época, nenhuma multa constava no cadastro do Departamento de Trânsito de São Paulo (Detran-SP). No entanto, para minha surpresa, em março deste ano soube que, no cadastro do Detran, havia uma multa de junho de 2008. Quer dizer então que o Detran pode inserir uma multa no cadastro do veículo, mesmo que seu proprietário já seja outro? Eu comprei, já transferi e licenciei o veículo acreditando que justamente ficaria livre desse tipo de problema, ou seja, de multas de antigos proprietários.ANDERSON REIS FERREIRAJundiaíO Departamento de Trânsito de São Paulo informa que o veículo citado foi autuado em 14 de junho de 2008 pela Polícia Militar e que a multa foi incluída no sistema do Detran em 20 de junho, quando foi encaminhada a notificação de indicação do condutor ao endereço do proprietário àquela época. Acrescenta que em 11 de agosto se deu a segunda notificação, qual seja, a de aviso de pagamento, com vencimento em 25 de setembro. Quando da notificação de pagamento, a multa é disponibilizada para pesquisa no site do Detran (www.detran.sp.gov.br) e no da Secretaria da Fazenda (www.fazenda.sp.gov.br), ícone IPVA. Sugere ao leitor que ele verifique com o antigo proprietário o que ocorreu, pois, pelo que o sr. Ferreira informa, a notificação já estava da posse do antigo proprietário quando o veículo foi negociado. Esclarece ainda que as multas são vinculadas ao veículo e que, nesse caso, a multaentrou no cadastro após a transferência.Corte e cobrançaA Elektro cortou o fornecimento de energia em minha casa em Atibaia, que está vazia desde janeiro, pois meu filho saiu de lá nesse mês e não pagou a última fatura da conta de luz, que está em meu nome. O que eu não entendo é que continuaram a enviar as cobranças, apesar de a energia estar desligada e terem removido o medidor. Também cobram o custo de uma suposta religação feita em fevereiro, no valor de R$ 110. LUIZ FRANCISCO TASSI CASANOVAAtibaiaA Elektro informa que o imóvel do sr. Casanova teve o fornecimento de energia suspenso em razão de débito de pagamento pendente. Esclarece que, após esse procedimento, aguardou um prazo para a regularização do débito e a manifestação quanto ao interesse em retomar o fornecimento pelo consumidor. Mas como isso não ocorreu desligou o fornecimento de energia elétrica com a retirada do medidor. As duas contas foram emitidas, uma referente ao período que antecedeu o desligamento da residência e a outra relativa ao consumo final (vencimento 8/4), conforme Resolução 456/2000 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Explica que, porse tratar de unidade localizada em área rural com leitura trimestral, as contas foram faturadas por estimativa e serão objeto de ajuste com base na leitura do medidor.O leitor contesta: Liguei para a Elektro e a atendente insistiu em dizer que as contas estão certas e que a taxa de religação (que não existiu) é porque o proprietário - no caso, eu - fez uma autorreligação, ou seja, emendou os fios de forma irregular! Mas a casa está completamente vazia desde que a energia foi desligada .Falta de comunicaçãoHá dois anos pedimos à CET para pôr uma faixa de estacionamento para transporte em frente à Escola Estadual Keizo Ishihara, na Rua Mário Gessulo, no Butantã. Há um ano eles estiveram no local e a diretora do colégio pediu para que retornassem quando o portão estivesse pronto, mas não voltaram. SÔNIA CRISTINASão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, esclarece que funcionários da CET estiveram no local, mas que a companhia não recebeu um pedido formal da direção da escola após a troca do portão e que não há registro de pedido de sinalização. Acrescenta que para demandas desse tipo basta ligar para o 1188. Qualidade da obraO Rodoanel paulistano foi entregue a uma concessionária com pavimento de concreto, que tem uma excelente durabilidade, estabilidade e um coeficiente de atrito superior ao do asfalto. O material custa caro e o pagamos com nossos impostos. Notei que a concessionária está fazendo reparos no trecho entre as Rodovias Castelo Branco e Bandeirantes, mas está recapeando com asfalto. Entregamos ouro (concreto) e receberemos de volta banana (asfalto)? Isso está no contrato?DINO BENAZZISão PauloAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

, O Estadao de S.Paulo

08 de abril de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.