Cultivadores de bromélias ensinam a evitar o ?aedes aegypti?

A Sociedade Brasileira de Bromélias (SBBr) está planejando criar uma cartilha para aconselhar os donos destas plantas a evitar que elas se transformem em criadouros de mosquitos aedes aegypti, o transmissor da dengue. A medida foi discutida nesta quarta-feira durante reunião especial de 30 membros, na sede da sociedade em Jacarepaguá, zona oeste do Rio. Os sócios da SBBr querem evitar que as bromélias sejam transformadas em vilãs e responsabilizadas pela epidemia.Como têm folhas em forma de vaso invertido, essas plantas tendem a acumular água e concentrar insetos e, por isso, são sempre citadas como depósito de ovos do aedes. "O culpado pelo grande número de casos não é a bromélia, e sabemos disso", afirma o presidente da sociedade, Orlando Graeff, que cria mais de mil bromélias em sua casa em Petrópolis, cidade da região serrana do Rio."Quem deve responder por essa epidemia é o governo e não a bromélia. Até porque qualquer lugar que concentre água pode funcionar como criadouro. Até um copo d´água na mesa pode ser um foco", afirma. Graeff afirma que nunca teve dengue e que não existem focos do aedes aegypti em sua casa. A SBBr dá dicas sobre como evitar a dengue em seu site na Internet (www.bromelia.org.br) e quer criar um manual com informações básicas sobre como evitar que a bromélia concentre focos do mosquito."Essas dicas servem não só para a bromélia, mas para todas as plantas que concentram alguma água", explica Graeff. Ele aconselha a quem cultiva a planta e quer evitar o mosquito que aplique um inseticida (de preferência à base de água, como vem indicado no frasco do inseticida) na planta, uma vez por semana. "Isso não mata a planta, mas acaba com o risco. O único cuidado é aplicar o spray a alguma distância da planta", afirma. Outra dica é virar diariamente os vasos das bromélias para retirar a água acumulada. Mas esse acúmulo de água não deve ser jogado em locais onde a larva tenha condições de sobreviver, como ralos. "De preferência entorne a água da bromélia em outro vaso com terra ou mesmo na terra do jardim. Assim, a larva morre."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.