Cumbica teve o maior índice de vôos com atraso

O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, teve um domingo confuso. Segundo as informações da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), dos 127 vôos que decolaram do local até as 17 horas, 41 sofreram mais de uma hora de atraso, equivalentes a 32,28% do total. Cinco vôos foram cancelados. Nos 13 principais aeroportos do País, a média de atraso acima de uma hora foi de 17,38%. Em Congonhas, ao contrário, o movimento foi tranqüilo: dos 165 vôos que decolaram, apenas sete (4,24%) enfrentaram atrasos mais acentuados. No Rio, o índice de atrasos ficou em 13,1%. Os passageiros que embarcaram em Belém foram os que mais sofreram: os atrasos superiores a uma hora atingiram 40% dos 25 vôos realizados até as 17 horas.A Anac informou que os problemas registrados neste domingo são de responsabilidade das companhias aéreas. Foram motivados, por exemplo, por dificuldades no embarque de passageiros e atrasos em conexões, e não estão relacionado ao desempenho do controle de tráfego aéreo. Segundo a Anac, os controladores trabalhavam normalmente. No caso de Guarulhos, os atrasos acabaram se acentuando em decorrência do fato de o aeroporto registrar o maior volume de tráfego aéreo do País e grande número de conexões. O comando da Aeronáutica confirmou a normalidade na operação do tráfego aéreo. Informou ainda que não houve registro de problemas meteorológicos.Na última semana, o índice de atrasos oscilou entre 21,3%, registrado na segunda-feira 27, e 13,73% na quarta-feira 29. No sábado, dos 1.042 vôos que decolaram nos 13 principais aeroportos do País, 154 (14,77%) estavam atrasados mais de uma hora. Os dias 30 de novembro e 1o de dezembro também registraram índices de atrasos significativos, próximos de 20%, por causa do mau tempo.Anac informa que a tendência é a normalização do tráfego aéreo. Os piores atrasos ocorreram há cerca de um mês, próximo do feriado de Finados, quando o aumento do movimento nos aeroportos se agregou à operação padrão dos controladores de vôo, na qual cada um deles só podia monitorar 14 aeronaves ao mesmo tempo. Os índices de atraso chegaram a 40%. Dezenas de vôos foram canceladas por conta dos atrasos, que chegaram a onze horas. Nas últimas semanas, o governo adotou medidas para reforçar o número de controladores, como a convocação de profissionais aposentados. O número de controladores em atividade deve aumentar até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.