Cúpula do PCC pagava R$ 2 mil por celular

Líderes do Primeiro Comando da Capital pagavam R$ 2 mil por celular recebido dentro da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP). Na unidade, que serve para isolamento de chefes do crime, cumpre pena Marcos Camacho, o Marcola, chefe do PCC. A descoberta foi possível com a prisão do agente penitenciário Márcio Mota Ferreira, de 29 anos, detido domingo com nove celulares, baterias e carregadores quando entrava no presídio para fazer plantão.

O Estadao de S.Paulo

27 Setembro 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.