Cúpula do PT se nega a negociar presença de Lula em palanques

O crescimento da pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, captado pelas mais recentes pesquisas de intenção de votos, dá munição ao comando petista para frear parte das exigências do PMDB em troca do apoio oficial à ex-ministra. No entendimento da cúpula do PT envolvida na pré-campanha há apenas duas "exigências legais" do aliado: o cargo de vice a Michel Temer e a garantia de palanque único do PMDB em Minas Gerais para o ex-ministro Hélio Costa.

Bastidores: Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2010 | 00h00

A presença do presidente Lula nos palanques estaduais, tema exaustivamente debatido nos bastidores, não será colocada na mesa de negociações se depender da direção do PT. O argumento é óbvio: a candidata será Dilma e é somente a presença dela nos palanques que pode ser reivindicada pelo parceiro PMDB.

Para os candidatos peemedebistas nos Estados, no entanto, a presença de Dilma num palanque, sem Lula, é inócua. Os políticos estão interessados nos dividendos políticos que poderão obter com a alta popularidade de Lula.

O argumento petista apresentado ao PMDB é que, como presidente e militante do partido, Lula tem total liberdade para avaliar onde e quando sua presença será necessária. Os petistas mais próximos a Lula apostam, por exemplo, que ele pisará no palanque de Jaques Wagner, que disputa a reeleição na Bahia, mas dificilmente se empenhará com o mesmo ardor na campanha do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). Também pode prestigiar o palanque de Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul.

O comando da pré-campanha de Dilma aproveita a maré política favorável para explicitar cobranças ao PMDB. A prioridade é convencer o PMDB do Paraná a abrir mão da candidatura própria e fechar uma aliança com Osmar Dias (PDT), possibilidade ainda remota. Para que isso ocorra, Orlando Pessuti, que assumiu o governo, teria que desistir da disputa.

A outra exigência do PT é para que a direção do PMDB minimize os apoios de Orestes Quércia (SP) e Jarbas Vasconcelos (PE) ao tucano José Serra. A forte regionalização do PMDB torna quase impraticável controlar os dissidentes. É por isso que o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em acordo com Temer e o PT, enviou consulta ao TSE para saber se um determinado candidato pode fazer campanha ao candidato à Presidência que não integra a coligação nacional de seu partido. Como a direção do PMDB, ao contrário do PT, não tem força política para controlar acordos estaduais, a aposta é que Justiça Eleitoral exerça alguma pressão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.