Curitiba faz campanha maciça contra aids

A prefeitura de Curitiba inicia neste sábado, em apoio ao Dia Mundial de Luta contra a Aids, uma campanha maciça para detecção do vírus HIV, fazendo testes gratuitos em várias unidades de saúde.Os exames podem ser feitos em 22 postos e, a partir da próxima segunda-feira, em todas as 93 Unidades Básicas de Saúde. Até agora, os testes de aids eram realizados apenas no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA).Os profissionais das unidades foram treinados para também garantir o sigilo dos exames. Basta apenas comparecer à unidade com um documento de identificação.Calcula-se que, na capital paranaense, haja 4.289 homens e 2.607 mulheres com o vírus da aids. O dado leva em conta a estimativa do Ministério da Saúde, de que 0,72% da população entre 15 e 49 anos esteja infectada.As estatísticas da secretaria apontam que a incidência do vírus tem aumentado entre as mulheres. A proporção, que era de uma mulher para cada sete homens, é hoje de uma mulher para cada 1,8 homem.No ano passado, segundo dados da secretaria, 84% dos casos de aids foram transmitidos pelo ato sexual. A transmissão heterossexual é responsável por 54% desses casos.Entre bissexuais, o porcentual é de 10%, enquanto entre homossexuais é de 20%. Entre os números estimados de portadores do HIV, a maioria não sabe que tem a doença.Desde 1984, quando foi detectado o primeiro caso em Curitiba, foram notificadas 4.774 ocorrências. "É fundamental que todos que, em algum momento, tenham se exposto a situações de risco façam o teste", alerta o secretário municipal da Saúde, Luciano Ducci.O objetivo é reduzir a transmissão do vírus. "Saber que se é portador atrasa o aparecimento da doença", disse a diretora do Centro de Informação em Saúde, Mariângela Galvão."O portador sadio terá acompanhamento médico e fará exames periódicos, passando a tomar medicamentos somente quando aumentar a carga viral e cair a sua imunidade."Nesta sexta pela manhã, alunos e professores do núcleo de prevenção e combate à aids da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desenharam um grande laço de solidariedade com 353 rosas nas escadarias do prédio da universidade, na Praça Santos Andrade. As rosas representam os novos casos de aids detectados em Curitiba de janeiro a outubro deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.