Curso ensina a evitar seqüestro relâmpago

A escalada da violência está tornado São Paulo um mercado atraente para empresas internacionais especializadas em cursos rápidos para evitar crimes como seqüestros relâmpagos. O Brasil está em quarto lugar entre os países com maior número de seqüestros no mundo, segundo pesquisa da seguradora britânica Hiscox Group, atrás da Colômbia, do México e da Rússia. Esta semana, o oficial do Exército israelense Eli Raharim, de 29 anos, diretor da Uzil Internacional, veio à capital dar um curso sobre como evitar ou reagir a seqüestros elâmpagos. "São Paulo é um grande mercado." Conforme Raharim, que já participou de grupos antiterroristas em Israel, não há opção para o morador da cidade que não o estado de atenção permanente, como numa guerra. "O preço de viver em São Paulo é acordar pensando que se pode ser vítima de um crime."Mais informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.