Fábio Motta/AE - 17/08/09
Fábio Motta/AE - 17/08/09

Curta o verão sem insolação, desidratação e outros problemas

Um dermatologista e um infectologista deram dicas para você aproveitar só o lado bom da estação do calor

Ítalo Reis, estadao.com.br

20 Janeiro 2010 | 16h19

 Selo-Verao

SÃO PAULO - Verão é sinônimo de sol, calor, férias e descanso. Mas não há só o lado bom da estação. Nesta época aumentam os casos de afogamento, infecções e intoxicações alimentares, desidratação, insolação e outros problemas. E na maior parte do tempo, as crianças são as grandes vítimas. Segundo um levantamento da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, nesta época o número de crianças desidratadas cresce em 15%. Surtos de viroses também apareceram, principalmente no litoral, e já superam o número de 2009.

 

Para você aproveitar apenas o lado bom do verão, o estadao.com.br entrevistou dois médicos que deram dicas de como você pode curtir a estação do calor sem ter de sofrer com esses problemas. A principal recomendação é precaução. "As pessoas devem estar atentas com os cuidados de higiene, como lavar as mãos e principalmente os alimentos", diz o médico infectologista pediátrico Wanderley Tadeu Sokolowsky. Segundo ele, esse gesto simples ajuda a evitar a diarreia, uma das principais causas da desidratação, e também a contaminação por vírus.

 

Com o calor, beber mais água é outro dos conselhos dados pelos médicos. Sucos naturais com baixa caloria também são uma boa pedida, como os de melancia e laranja. "Apesar de ser um bom hidratante, a água de coco não é uma sugestão quando não se souber a origem da fruta. Refrigerantes são contraindicados", afirma Sokolowsky. Para quem está na praia, ele explica que é sempre melhor levar os alimentos e bebidas de casa, e deixá-los bem acondicionados em potes limpos e que conservem a temperatura.

 

Mais uma dica importante para as mães que estão no litoral: não deixar que o filho segure o copo ou garrafa de onde vai beber se a família estiver na areia. "Depois do banho de mar ou de brincar na areia, a criança pode contaminar a bebida", explica o infectologista. Comidas das barraquinhas na areia também devem ser evitados.

 

O exercício e o calor faz com as pessoas percam mais líquidos no verão, então é sempre bom estar com uma garrafinha de água potável. Mas quando uma criança está brincando ela quer saber de fazer outra coisa? O médico alerta que é importante sempre oferecer líquidos para elas beberem. "Em um intervalo de 30 minutos ou uma hora, mas não precisa obrigá-la a beber sempre", ensina Sokolowsky. Basta manter o bom senso. O médico recomenda não levar bebês à praia, pois eles são mais sensíveis.

 

Alguns sintomas de quem está desidratado são urinar pouco, boca seca, olhos mais encovados e o tom escuro da urina.

 

AH, O SOL...

 

 

São vários dias trabalhando direto, sem tempo para o descanso e lazer. Quando chega o verão, a pele está branca ou com o tom meio longe daquele desejado bronzeado. Então, o melhor a fazer é ir à praia e ficar o dia todo tomando sol, certo? Errado! Tomar banho de sol em excesso traz mais problemas para o organismo do que benefícios. E o que deveria ser um bronzeado acaba virando é uma queimadura. " (A exposição) pode apenas provocar a ardência ou até mesmo as bolhas. É a mesma reação de se queimar com ácido", diz o dermatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, Marcelo Arnone.

 

Outro problema provocado pelo excesso de sol sem proteção é a insolação. A pessoa perde muito líquido e o organismo reage por não poder mais regular a temperatura do corpo, através do suor. Além disso, também há perda de sais minerais. A reação é mal estar, dores de cabeça, náuseas, vômito, tontura e até perda de consciência. "Não dá para dizer quantas horas uma pessoa tem de ficar exposta para ter insolação, varia conforme a pessoa e também depende de outros fatores", afirma Arnone.

 

A insolação é muito comum em pessoas que programam mal as atividades físicas ou resolvem "perder o atraso" no bronzeado e acabam exagerando ou até mesmo aquelas que vão à praia por lazer e esquecem de beber água e se proteger do jeito certo. Por isso, o melhor a fazer é usar protetor solar com fator mínimo 15 e evitar tomar sol entre 10h e 14h. "E beber muito líquido", acrescenta o médico. Outras medidas simples que protegem o corpo tanto da insolação quanto das queimaduras são o uso de bonés e do guarda-sol.

 

Sobre queimaduras, Arnone alerta para a utilização correta do protetor solar. Ele explica que o produto deve ser bem aplicado e espalhado pelo corpo e reaplicado depois de entrar no mar ou na piscina, ou a cada duas horas. "Sempre que esfregamos a mão no corpo, o protetor sai. Quando suamos, também. Por isso é importante sempre reaplicar", diz. Esses cuidados também diminuem as chances de câncer de pele, já que o dano é cumulativo, segundo o dermatologista.

 

Então já sabe, verão é sinônimo de sol antes das 10h e depois das 14h, sempre com protetor solar (e outras proteções), com muito líquido e cuidados higiênicos, para as lembranças serem as melhores possíveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.