CUT fecha viaduto em defesa do IPTU progressivo

Manifestantes a favor do projeto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) progressivo, proposta da prefeitura e que deve entrar em vigor no próximo ano, fecharam uma das pistas do viaduto Jacareí, em frente à Câmara Municipal. O ato é organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), bancadas partidárias, associações de moradores de diferentes regiões de São Paulo e sindicatos. Os organizadores do protesto esperam 5 mil manifestantes. Segundo a Policia Militar, às 15h00 o ato reunia mil pessoas. ?É legitima a intenção da prefeita (Marta Suplicy) . Quem tem mais deve pagar mais", afirma Antonio Carlos Spis, presidente da CUT estadual. O dirigente disse também que o IPTU progressivo trará mais justiça social. "A prefeita não está administrando o município apenas para os ricos. Não está fazendo viadutos para carros passarem. Ela está beneficiando a população carente", afirmou.Ele não crê que a medida venha a gerar demissões na cidade, conforme alega a Força Sindical. "Duvido que um posto de trabalho seja fechado por causa disso. A Força está chutando o número de demissões", critica. Pelo cálculo da Força, 100 mil pessoas seriam demitidas, caso a proposta seja aprovada. O presidente estadual da CUT admitiu que o projeto ainda não é o ideal. "Há itens que ainda podem ser melhorados, mas precisamos salientar que a medida é inédita na cidade", ressaltou. Hoje pela manhã a Força também fez um protesto, só que contra o IPTU progressivo. Segundo a central, 45 mil metalúrgicos, de 50 empresas paulistanas, paralisaram as atividades por pelo menos uma hora. A proposta da prefeitura é isentar 1,6 milhão de pessoas do pagamento do imposto. Ao mesmo tempo, algumas residências, imóveis de comércio e indústria teriam sua alíquota ampliada para até 1,8%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.