CUT realiza ato de desagravo em Porto Alegre

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) realizou hoje no campus da PUC, em Porto Alegre, um ato de desagravo contra o assalto à sede da central, em São Paulo, na madrugada de sábado. O ato reuniu representantes de centrais sindicais de várias partes do mundo, incluindo Austrália, Alemanha, França, Portugal, Itália, Espanha, Uruguai e Chile, entre outros.Os dirigentes da CUT de todo o País - e os representantes das centrais estrangeiras repudiaram o assalto, que eles classificam de atentado à democracia. O prefeito de Guarulhos, Elói Pietá (PT), também presente à manifestação, disse que o atentado à sede da central pode ser definido como um verdadeiro "Watergate brasileiro", numa referência ao escândalo que provocou a queda do presidente Richard Nixon, nos EUA.Para o prefeito de Guarulhos, está muito claro que a intenção dos que invadiram a sede da Central Única dos Trabalhadores foi a de "roubar" informações a respeito dos líderes sindicais deste País, informações, inclusive, pessoais. Ele disse que isso pode ser explicado pelo fato de a CUT não ter dinheiro e nem documentos sigilosos."Houve uma violação ao sigilo da informação, num típico método mafioso. Ou os responsáveis por esse vandalismo vão utilizar essas informações pessoais ou vão vendê-las àqueles que têm interesse no acesso a todas as informações e dados pessoais dos representantes da maior central sindical deste País." E complementou: "É como se alguém invadisse a sua casa para violar correspondências pessoais e roubar informações a seu respeito, guardadas no computador."Unanimidade - Os representantes das centrais sindicais estrangeiras foram unânimes em afirmar que o assalto à sede da CUT é muito preocupante, em razão do momento delicado que o País vive em termos de segurança pública. E lembraram as mortes dos prefeitos de Campinas, Antônio Carlos dos Santos, o Toninho do PT, e de Santo André, Celso Daniel, também do Partido dos Trabalhadores. " O ataque à CUT foi uma agressão ao movimento sindical brasileiro e mundial", reiteraram esses representantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.