D. Cláudio diz que papa pode nomear substituto provisório

O cardeal arcebispo de São Paulo, d. Cláudio Hummes afirmou que o papa Bento XVI poderá anunciar no domingo, 3, o nome do novo administrador apostólico para dirigir interinamente a Arquidiocese de São Paulo até a nomeação do novo arcebispo de São Paulo. O arcebispo embarca domingo para Roma, onde assumirá o cargo de prefeito da Congregação para o Clero. Durante cerimônia de despedida dos funcionários na Cúria Metropolitana, realizada na tarde desta sexta-feira, ele agradeceu os funcionários e pediu colaboração com o novo arcebispo. "Algumas coisas devem continuar porque a igreja é a mesma,mas cada um tem o seu estilo", declarou. Mesmo que o arcebispo seja nomeado logo, ele só será empossado dentro de um ou dois meses. Se o papa não designar o administrador apostólico - cargo que d. Cláudio vem exercendo desde o anúncio de sua transferência para Roma, quando deixou de ser arcebispo - o Colégio de Consultores da arquidiocese, de sete membros, elegerá um administrador diocesano. Ele também foi homenageado com um almoço no salão nobre do Teatro Municipal que contou com a presença do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PFL), o presidente da Câmara, Aldo Rebelo, o governador eleito José Serra (PSDB), Claudio Lembo, a ex-prefeita Luisa Erundina, o rabino Henri Sobel, representantes da comunidade muçulmana e da igreja ortodoxa, além de empresários e outros convidados. SucessorA nomeação do sucessor de d. Cláudio é segredo pontifício, que deve ser guardado até o anúncio do escolhido do papa Bento XVI, mas as especulações começaram. Um dos nomes cotados é o do arcebispo de Belo Horizonte, d. Walmor Oliveira de Azevedo, de 52 anos, que nasceu na Bahia e trabalhou em Juiz de Fora (MG), antes de se tornar bispo auxiliar de Salvador.O arcebispo de Belém, d. Orani João Tempesta, de 56 anos, que foi bispo de São José do Rio Preto (SP), também é citado como possível sucessor.Se a opção do papa for por um dos auxiliares de d. Cláudio, a escolha ficaria entre d. Odilo Pedro Scherer, de 57 anos, e d. Pedro Luiz Stringhini, de 53 anos. D. Odilo é o secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cargo que o obriga a passar a maior parte do tempo em Brasília, e d. Pedro Luiz é o responsável pela região episcopal de Belém, na zona leste de São Paulo.D. Antônio Celso de Queirós, bispo de Catanduva e vice-presidente da CNBB, o preferido de d. Paulo para substituí-lo em 1998, também é lembrado. Porém, sua escolha pode ser prejudicada já que, perto dos 73 anos, está chegando à aposentadoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.