Da maconha apreendida na AL, metade estava no Brasil

Metade da apreensão de maconha na América Latina feita em 2003 ocorreu no Brasil, informa o relatório da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife), ligada à Organização das Nações Unidas. O secretário nacional antidrogas, Paulo Roberto Uchôa, diz que é "natural" a apreensão ser maior no Brasil. "Isto não nos assusta, porque o Brasil tem dimensões gigantescas e faz fronteira com dez países" minimiza.O representante do escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crimes no Brasil e na América Latina, Giovanni Quaglia, concorda com Uchôa e diz que falta informação proporcional à população para avaliar melhor o resultado. Os dois participaram hoje da divulgação do relatório da Jife, no Palácio do Planalto.Além das drogas ilícitas, o relatório trata também do abuso no consumo de anfitamínicos para emagrecimento e ansiolíticos para reduzir a ansiedade. Já as drogas lícitas, como morfina, empregadas com fins terapêuticos para aliviar a dor do paciente são consumidas em grande quantidade apenas nos países ricos. O relatório da Jife revela que 90% do consumo de morfina concentram-se em dez países, entre eles os Estados Unidos. Apenas 6% da morfina distribuída no mundo são utilizadas pela população de países em desenvolvimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.