Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

‘Dá muito mais liberdade’, diz habitué dos aluguéis

Estudante que vive nos EUA diz que segurança também já pesa na escolha

14 Julho 2012 | 17h05

Se Orlando não é o destino de férias preferido do funcionário público Claudio Henrique Santos, ele no mínimo tem um apreço especial pelo lugar: já foi 12 vezes em 49 anos de vida. Primeiro com os pais, depois com um grupo de adolescentes, com os primos, a mulher, a primeira filha, a segunda, casais de amigos. Agora prefere só alugar casa para caber todo mundo.

“É a melhor coisa. A gente se reúne no café da manhã, decide para onde vai. No fim do dia, está todo mundo junto de novo, contando o que fez”, diz. “Fora que é bom ter um endereço para receber as compras que faço pela internet.”

Segundo o corretor Martônio Pinto, da Orlando Fun Rentals, o brasileiro que aluga casa geralmente chega com uma família de cinco a sete pessoas. “Pais, filhos, namoradas, uma tia ou uma babá”, conta. Ficam por lá dez dias, em média.

 

A administradora de empresas Mara Casagrande, de 41 anos, já foi de se hospedar em hotel, mas hoje só aluga casa. Em Orlando, ficou em cinco. Geralmente vai com outros casais de amigos, o marido e a filha de 10 anos. “Dá muito mais liberdade. Você vai para os parques na hora em que quer, passa em uma loja, se cansar volta para casa”, diz.

“Não sei se é mais barato do que hotel, acaba saindo elas por elas quando vamos em três (ela, marido e filha), mas fica mais em conta quando vamos com nossos amigos, três famílias juntas, e pegamos uma casa de cinco quartos”, diz Mara.

Segurança. Há três anos nos Estados Unidos, o estudante de Design de Interiores Renato Silveiro, de 42 anos, fez um blog (brasileirovivendonoseua.blogspot.com.br) para dar “dicas de sobrevivência”.

 

“De uns tempos para cá, começaram a acontecer alguns incidentes em relação a roubos e furtos a brasileiros em Orlando. Foi quando percebi essa maior procura por casas, sobretudo em condomínios fechados”, diz Silveiro.

Além disso, as casas de aluguel são bem mobiliadas. “Já aluguei uma que tinha até Playstation”, conta Claudio. “As famílias que alugam não querem abrir mão do conforto. Querem sala, sofá, uma boa cozinha, despensa para guardar as compras”, diz a corretora Fabiana Koffler. “Eles gostam de viver um pouquinho o ‘american way of life’”, diz a corretora. / N.C.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.