Dados da caixa-preta serão analisados em sessão fechada da CPI

Deputados analisarão o conteúdo das gravações a partir das transcrições das conversas

01 de agosto de 2007 | 11h54

Os deputados da CPI do Apagão Aéreo aprovaram nesta quarta-feira, 1º, que a análise das informações da caixa-preta do Airbus da TAM sejam feitas em uma sessão fechada. Antes da sessão, porém, os deputados devem divulgar os diálogos entre os pilotos que comandavam o vôo 3054, segundo afirmou o presidente da CPI, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).  Veja também:   Caixa-preta aponta que piloto não conseguiu desacelerar Airbus  Brigadeiro diz que caixa-preta revela um 'filme de terror'  CPI quer inquérito sobre vazamento de dados da caixa-preta Quem são as vítimas do vôo 3054  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054  A CPI aprovou a divulgação das informações à imprensa depois que os dados entregues pela Aeronáutica, na terça-feira, 31, aos deputados vazaram. O chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), brigadeiro Jorge Kersul Filho, que participa da reunião na Câmara, afirmou que os dados não foram vazados por parlamentares, já que não é possível abrir os arquivos de som contidos no CD porque nem mesmo o Cenipa tem o software necessário. Os deputados analisarão o conteúdo das gravações a partir das transcrições das conversas, que serão traduzidas do inglês para o português. A análise será feita com o auxílio de Kersul e do coronel Fernando Camargo, também do Cenipa, responsável pela investigação das causas do acidente. Aos deputados, Kersul afirmou que é preciso que o País assuma as conseqüências após a divulgação dos dados da caixa-preta. Para ele, os dados fariam com que o Brasil sofresse uma degradação no nível de segurança da aviação brasileira. Irritação Alguns parlamentares se irritaram com a Aeronáutica por não ter fornecido o programa de computador que lhes permitiria ouvir o CD com os diálogos gravados na caixa-preta. "A Aeronáutica fez essa CPI de palhaço", reclamou o deputado Carlos William (PTC-MG). Para ele, "a Aeronáutica mandou um disquete de ET, que só pode ser lido por uma máquina multinacional que nós não sabemos onde está. Nós não trancamos nada nos cofres desta Casa, porque o que foi trancado não existe", acrescentou. O deputado Vic Pires Franco (DEM-PA) também se declarou indignado e afirmou que a Aeronáutica deveria pelo menos ter mandado um CD degravado. Em conversa com jornalistas, Franco reclamou também do fato de que todos os demais dados recebidos da Aeronáutica pela CPI, como as informações técnicas decodificadas da segunda caixa-preta, são textos em inglês. (Com informações da Agência Câmara) 

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.