Dados do Google indicam 200 perfis de pedófilos, diz senador

Informações são de mais de 3 mil arquivos suspeitos de veicularem material pornográfico, entregues à CPI

da Redação, estadao.com.br

23 Abril 2008 | 17h33

Os senadores que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia receberam nesta quarta-feira, 23, dados e fotos veiculados pelo Orkut, o site de relacionamentos da Google. Nesses arquivos estima-se que há dados de 200 pedófilos, segundo o senador Demóstenes Torres (DEM-GO).    As informações são de 3.261 arquivos suspeitos de veicularem material pornográfico no Orkut. A autorização para a abertura dos sigilos destes usuários foi aprovada pela CPI. "Trocas de telefones, nomes das possíveis vítimas, situações que viveram" e fotos, o que pode levar a prisão dos envolvidos, disse o senador.   As páginas supostamente abrigam fotos de pedofilia que foram alvo de denúncias e estavam protegidas por uma ferramenta de bloqueio. O mecanismo permite que apenas pessoas autorizadas pelo dono da página tenham acesso ao conteúdo.   "Temos as imagens, os comentários dos usuários e os dados de acesso. Sabemos quem acessou e quando acessou", disse à Agência Brasil o diretor de Comunicação e Assuntos Públicos do Google, Félix Ximenes.   "É a primeira vez" que a Google aceita abrir arquivos em seus sites da internet, disse em entrevista a Rede Globo o relator da CPI, senador Demóstenes Torres. "Nos últimos anos havíamos recebido 50 mil denuncias de pedofilia no Brasil" que não podiam ser investigadas, afirmou.   A empresa Google no Brasil vinha sendo acusada pelo Ministério Público de dificultar a investigação da pedofilia na internet. Os dirigentes da Google também entregam à CPI os "logs", onde ficam registrados o histórico de operações feitas por usuários suspeitos.     Prioridades   Durante a reunião, o presidente do Senado Garibaldi Alves (PMDB-RN), assegurou que dará prioridade à votação de projetos voltados ao combate à pedofilia tão logo as matérias cheguem ao Plenário.   O presidente do Senado afirmou à Agência Senado que buscará junto ao presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), apoio para que os projetos também tenham prioridade de tramitação naquela Casa.   O relator da CPI, senador Demóstenes Torres, e o senador Romeu Tuma (PTB-SP) devem participar de reunião no Ministério Público em São Paulo, nesta tarde, quando será discutido o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) a ser assinado pela Google como forma de assegurar a continuidade da cooperação da empresa com as autoridades brasileiras.   Denúncia   O procurador da República em São Paulo, Sérgio Suiama, denunciou no início do mês que cerca de 90% das 56 mil notificações de pedofilia pela Internet, recebidas nos últimos anos, se referem ao Orkut, que conta com 27 milhões de usuários brasileiros.   A fiscalização chegou a dar um ultimato à Google para que ela revelasse os álbuns que contivessem fotos de pornografia infantil, sob a ameaça de abrir uma ação civil e penal contra a empresa.   (com agências internacionais)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.