Dança se expande em SP: mais teatros, espetáculos e escolas

Balé clássico volta a ter destaque em curso oferecido em Pinheiros, com alunas entre 16 e 60 anos de idade

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2008 | 00h00

O cenário paulistano nunca foi tão favorável à dança. Consagrada como a capital brasileira dos grandes musicais, como Miss Saigon, São Paulo vem ganhando um cardápio cada vez maior de espetáculos e casas especializadas nesse tipo de apresentação nos últimos cinco anos. Só no centro de São Paulo surgiu a Galeria Olido, foi recuperado o Teatro Itália e criada a Escola da Vitória, do coreógrafo Ivaldo Bertazzo. Há ainda a antiga rodoviária, que já foi escolhida para abrigar a futura sede da São Paulo Cia. de Dança, corpo de baile criado pela Secretaria de Cultura do Estado neste ano.Em outros bairros, o aquecimento do mercado aparece em forma de serviço para os amantes da dança. São os novos endereços de escolas que pipocam pelas ruas da cidade. Algumas chamam a atenção pelas instalações. A Pulsarte, em Pinheiros, por exemplo, é um espaço de 1.600 metros quadrados, com projeto arrojado de arquitetura. Envidraçadas e com um vista privilegiada da cidade, as salas têm pisos flutuantes, que amortecem o impacto dos bailarinos, contam ainda com iluminação cênica e tratamento acústico - com isso o aluno de flamenco não escuta o hip-hop ou a música clássica das salas vizinhas.Entre todos os gêneros oferecidos, o balé clássico volta a ter destaque e passa a ser oferecido a alunos de todas as idades, e não só para crianças. Numa classe de iniciantes, bailarinas de 16 a 60 anos de idade vestem sapatilha de meia ponta, meia-calça e collant. "Precisei de um pouco de coragem para voltar ao clássico, uma modalidade que fiz na infância", diz Vera Alice Meirelles, de 62 anos, que recorda os pliés e dégagés ao lado das estudantes Helena Gregolin Dias, de 23 anos, e Laura Sarkovas, de 16. "Mas estou adorando. É um exercício completo e sem grandes impactos."Com salas de até 150 metros quadrados de área, a Pulsarte atrai pequenas companhias de dança que, sem espaço próprio, usam a escola para ensaios. Comerciais e aberturas de novelas, como Ciranda de Pedra, da TV Globo, já foram filmados lá. Uma série de incentivos do governo também levou alguns grupos de dança a abrirem centros de formação, oferecendo muitas vezes técnicas inovadoras aos alunos. Parte disso, deve-se a recursos distribuídos nos últimos dois anos em forma de fomento. Ao todo, já foram investidos R$ 7,5 milhões. Beneficiado pela política de incentivos, o grupo Novos Passos abriu o Espaço Cariris, um teatro pequeno, de 119 metros quadrados, que a menos de um mês passou a dar aulas para o público em geral. No início do ano, a coreógrafa Adriana Grecchi, de 42 anos, do grupo Núcleo Artérias, abriu o Estúdio Nave. "Nosso espaço tem o objetivo de desenvolver a estética do movimento e a consciência corporal", diz Adriana. Além das aulas de dança contemporânea, organizam oficinas complementares como de iluminação.Esses novos endereços não são escolas convencionais, mas estúdios de dança que abriram as portas para o público, que pula da platéia para os bastidores. "Tem muita gente que assiste ao espetáculo e depois se inscreve nas aulas", diz João Andreazzi, coreógrafo e diretor, da Cia. Corpos Nômades, em cartaz com Barulho Indiscreto da Chuva, na sede do grupo, no centro. "Damos aulas para profissionais da dança e também para iniciantes, em geral, alunos com formações diversas. Tem psicólogo e médicos que praticam aqui." As aulas são voltadas mais para um trabalho cênico do que para a conscientização corporal. Num outro segmento, o coreógrafo Ivaldo Bertazzo abre as inscrições para as aulas de teatro de revista, até o final do ano, na Escola da Vitória, inaugurada há um mês, que funciona atualmente como local de ensaio para sua companhia. "Quero formar comediantes dançarinos, na linha do Oscarito", diz Bertazzo. "Quando comecei a estudar dança, nos anos 80, havia apenas balé clássico e duas variações de contemporâneo", diz Zélia Monteiro, que foi assistente do coreógrafo Klaus Viana e ensina clássico. "Hoje o cardápio é grande. É só escolher o gênero que mais gosta."Novos endereçosEscola da Vitória (Ivaldo Bertazzo)R. Vitória, 485, LuzTel.: 3294-1755 Espaço Cariris (Passo Livre)R. Cariris, 48, Pinheiros Tel.: 3811-9681 Estúdio Nave (Núcleo Artérias) R. Luís Anhaia, 47, V. Madalena Tel.: 3032-3497Lugar (Cia Corpos Nômades)R. Augusta, 325, centro Tel.: 3237-3224 PulsarteRua Pereira Leite, 55, PinheirosTel.: 3482-7863

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.