Sandy Oliviera/Estadão
Sandy Oliviera/Estadão

Daniela Mercury diz que não participará de festas de rua no carnaval 2022; saiba quem mais cancelou

Cantora afirma que cenário da pandemia é incerto para realização de festas públicas. Participação da artista na folia deve acontecer em eventos privados com protocolos sanitários

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2021 | 14h19

A cantora Daniela Mercury não vai participar de festas de rua no carnaval de 2022. A decisão da cantora foi anunciada nesta sexta-feira, 3, e se dá pelo momento de incerteza da pandemia de coronavírus, causada pelo surgimento da variante Ômicron. "Sinto muito em anunciar isso, mas avaliamos bem a situação e chegamos à conclusão que o cenário é muito incerto", disse a baiana.

Antes mesmo da identificação da Ômicron e da sua chegada ao Brasil, alguns produtores já tinham decidido não sair no carnaval do ano que vem. Em Salvador, terra de Daniela Mercury, a produtora Flora Gil, esposa do Gilberto Gil, anunciou no dia 24 de novembro que não produziria o camarote Expresso 2222, um dos principais espaços do carnaval da capital baiana. No último domingo, 28, a cantora Preta Gil também anunciou que não ia desfilar com o seu bloco, o Bloco da Preta. A chegada da nova cepa acelerou os cancelamentos.

Daniela ainda afirmou que já considera que, na Bahia, o governo e a prefeitura não vão realizar o carnaval de 2022. As gestões ainda não se pronunciaram publicamente sobre o assunto, mas cancelaram as festas de réveillon. Na cidade de São Paulo, onde também se apresenta, Daniela também não vai desfilar com o seu bloco Pipoca da Rainha no ano que vem. O bloco encerrou o carnaval de São Paulo em 2020. "Se for mantida a  liberação das autoridades sanitárias, tentaremos, na medida do possível, realizar shows e eventos durante todo o verão, sempre com limitação de público e com a exigência das duas doses da vacina", afirmou.

"Além disso, continuo estimulando meus fãs e todos os brasileiros a usarem máscara. O momento ainda não é de plena tranquilidade, mesmo com as vacinas salvando milhares de vidas", concluiu Daniela.

Em entrevista ao Estadão, a doutora em microbiologia pela USP e presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC), Natalia Pasternak, afirmou que o momento atual da pandemia não dá segurança festas públicas com grande aglomeração independente da presença da Ômicron. "Precisamos esperar para ver como o vírus vai se comportar com a população vacinada. Não podemos retroceder no que avançamos até agora", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.