Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Daniela Mercury defende diferentes formas de amor e beija a mulher no Congresso

Deputados haviam acusado Eduardo Cunha de boicotar imagem de divulgação do seminário, que mostra cantora junto da companheira

O Estado de S. Paulo

20 Maio 2015 | 17h35

A cantora Daniela Mercury participou nesta quarta-feira, 20, do 12º Seminário LGBT do Congresso Nacional e encerrou sua fala com um beijo na boca de sua companheira, Malu Verçosa. Nesta terça-feira, 19, os deputados do Psol haviam acusado o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de tentar boicotar a divulgação do seminário. Na imagem oficial do evento, a cantora aparece junto de sua companheira. 

Daniela fez um discurso nesta quarta ressaltando a liberdade de expressão e as diferentes formas de amor, e afirmou que o ódio não encontra ressonância na população brasileira. "O povo brasileiro não quer violência. Isso é coisa de poucas pessoas. Isso é uma distorção. É uma questão política, de ação policial, de vigilância e de Justiça", disse. 

O coordenador da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, Jean Wyllys (Psol-RJ), disse que Cunha age de forma a reproduzir a cultura de ódio não só na Casa, mas também em suas ações fora do Parlamento. "Praticamente tentou impedir esse seminário de acontecer. Esse seminário só aconteceu graças a uma tenacidade nossa", afirmou durante a abertura do evento.

De acordo com o deputado o objetivo do evento é "confrontar o ódio com o sentimento da empatia". O seminário continua na tarde desta quarta e na quinta-feira. 

Resposta. Na terça, a assessoria de imprensa de Cunha explicou que não houve proibição da divulgação do evento, que sequer foi solicitado sua publicação no site da Câmara. Segundo a assessoria, a política interna da instituição estabelece que convites e cartazes devem ser neutros, de forma a não fazer apologia a nenhuma causa específica. 

Mais conteúdo sobre:
Daniela Mercury LGBT Eduardo Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.