DAS prende quadrilha e estoura cativeiro em favela, em SP

Agentes da Divisão Anti-Seqüestro (DAS) libertaram, no início da noite desta quinta-feira, um comerciante que era mantido refém em um cativeiro na Favela da Funerária, na zona norte de São Paulo, e prenderam seus seqüestradores. Celso Arruda da Silva, de 53 anos, dono de uma rede de lojas de auto-peças, foi rendido pela quadrilha no início da tarde do mesmo dia, quando saía de uma de suas lojas. Os assaltantes levaram Silva até o cativeiro e, por meio de celulares, exigiam R$ 50 mil para liberá-lo. A DAS foi acionada imediatamente por parentes da vítima. Fingindo que já estavam com o valor exigido em mãos, os familiares do comerciante marcaram o local para a entrega do dinheiro: a frente do Hospital Estorópolli, na Vila Maria. "Fomos até lá e, quando chegamos, encontramos três supeitos reunidos, um deles falando ao celular", relatou o delegado operacional da DAS, Antonio de Olim. Com dois menores e um maior de idade detidos, os outros dois bandidos, também menores, foram localizados na favela. Um deles estava armado com um revólver calibre 38. A vítima teve os braços amarrados com fitas adesivas, mas não sofreu ferimentos. Segundo Olim, o único maior de idade da quadrilha fora funcionário de Arruda. Além de ter sido foi indiciado por seqüestro, o suspeito foi acusado também de corrupção de menores.

Agencia Estado,

17 de julho de 2004 | 02h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.