Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Das velas do Mucuripe às ciclofaixas

Fortaleza reduz mortes no trânsito, incentiva uso de bike, amplia faixas de ônibus e se prepara ainda para os patinetes

Luiza Pollo, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2019 | 05h00

Entre 2014 e 2018, a cidade de Fortaleza reduziu em 40% o número de mortes no trânsito, e, em apenas quatro anos, a capital cearense virou exemplo de avanço em políticas de mobilidade urbana ao melhorar as condições de transporte para quem não tem carro. Hoje, a cidade tem o melhor índice de uso de bicicletas compartilhadas no País, também está à frente quanto ao número de pessoas morando a até 300 metros de uma estrutura cicloviária e os terminais contam com bikes que têm integração ao transporte público, ou seja, estão inclusas na passagem. 

Agora a cidade se prepara para receber os patinetes, mas exigiu contrapartida. As empresas que oferecem o serviço precisarão construir calçadas para acomodá-los. A quilometragem de faixas de ônibus também aumentou – de 3 quilômetros em 2014, para quase 110 em 2018, segundo a prefeitura. 

“As políticas públicas que têm longevidade, que mobilizam e engajam as pessoas e que sobrevivem às mudanças de governo são aquelas que mexem com o comportamento e com a atitude da população”, afirma Roberto Cláudio (PDT-CE), prefeito de Fortaleza. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.