De amarração para o amor a apartamentos milionários

Multas por ''serviços profissionais'' chegam a R$ 500 mil

Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

14 Julho 2009 | 00h00

A turma dos orixás, ciganos e pessoas que "fazem trabalho para trazer a pessoa amada de volta" já representou, com folga, o grupo que mais burla a lei da poluição visual. Hoje, porém, ganharam um concorrente de peso: os corretores de imóveis. Isso depois que a crise mundial fez muitos proprietários não terem fôlego para quitar os apartamentos/mansões e entrarem no páreo. Por ora, os esotéricos colecionam mais infrações. Apenas três deles, juntos, receberam multas que chegam a R$ 500 mil nos últimos anos - um dos "anunciantes" acabou autuado em flagrante. O coronel Nevoral Alves Bucheroni, subprefeito de Pinheiros, ligou para o número de celular divulgado nas faixas e fingiu interesse no serviço. O vidente "mordeu a isca", marcou consulta e foi pego em maio. Ano passado, uma vidente que burlou a lei foi pega porque mantinha uma agência de turismo no mesmo "escritório". Foi indiciada por crime ambiental. Mas nada que intimidasse os colegas de profissão. Semana passada, por exemplo, ao longo da Avenida Sumaré, na zona oeste, a reportagem contou seis recados da mesma "profissional", que prometia "amarrar o amor". A astróloga Soraia confirmou a preferência por clientes abastados. "A consulta é R$ 50 e mais R$ 3 mil para comprar os materiais para trazer o marido de volta." A reportagem tentou negociar. "Dá para parcelar?" Soraia foi cruel com a falta de recursos. "Liga quando tiver dinheiro", disse, antes de desligar o telefone. Também é necessária uma gorda conta bancária para ser cliente dos anúncios clandestinos de corretores de imóveis. A Chácara Klabin, nova vedete entre os lançamentos imobiliários, trouxe aos agentes da Vila Mariana o dobro de serviço na retirada de faixas. "Todo dia, as placas de vende e aluga são retiradas aos montes", diz um funcionário uniformizado, foice em mãos (ferramenta utilizada para retirar os materiais presos nos postes). "Dessas daqui - aponta para uma faixa de um corretor que anuncia apartamentos no valor de R$ 900 mil, quatro vagas na garagem e 345 metros quadrados -, chegam a ser 10 por dia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.