De olho no frescor da moda do País

Afinal, o que o mundo quer da moda brasileira? Se depender de Armand Hadida, quer algo novo, fresco e jovem que não se pode mais encontrar na moda dos já tradicionais mercados europeu e norte-americano. "A novidade do mundo da moda hoje em dia vem de cinco lugares: Brasil, Rússia, Índia, China e Japão. E o Brasil está muito bem colocado neste mapa", dizia Hadida em reunião com o presidente da Associação Brasileira de Estilistas (Abest), Amir Slama, e Valdemar Iódice, ontem no hotel Grand Mercure. Hadida é o poderoso empresário francês que está à frente de uma das grandes redes de moda de seu país, a L?Eclaireur. Está na SPFW para conhecer melhor as grifes brasileiras, visitar showrooms, ver desfiles e, claro, fechar negócios. Segundo Slama, desde 2006 as exportações das grifes associadas à Abest cresceram 19%. Em 2006, isso significou US$ 21 milhões; em 2007, U$26 milhões. Para este ano, a cifra deve crescer 18%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.