Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2018 | 03h00

Sem hora marcada, a meninada brotava na rua. Subia a ladeira e, então, cada um em seu carrinho fazia de freio a sola do pé. Os tombos, frequentes, eram parte da brincadeira. Sucesso nas décadas de 1970 e 1980, o rolimã deu lugar aos congestionamentos nas grandes cidades. Hoje, voltam à cena empurrados por festivais. Eventos em ruas fechadas só para carrinhos de rolimã em São Paulo vêm atraindo milhares de pessoas de todas as idades. Enquanto os mais velhos sentem o gosto da nostalgia, os pequenos experimentam o frio na barriga que conheciam apenas de histórias contadas pelos pais e avós. 

“Falo com meus filhos que, quando era moleque, passava nas oficinas atrás dos rolamentos. Fazia com meu pai o carrinho”, diz o contador Eduardo Franze, de 46 anos. Pai de Guilherme, de 10, e das gêmeas Isadora e Helena, de 6, ele conta que o mais velho ganhou um carrinho de rolimã do tio - e então a brincadeira recomeçou. Em junho deste ano, participaram de um evento na Mooca, zona leste de São Paulo. Lá, encontraram milhares de crianças - as grandes e as pequenas - cada uma com seu “possante”. 

Desde que se divertiram na Rua Jumana, na Mooca, Guilherme não tirou o passeio da cabeça. “Estou me imaginando descendo aqui de novo”, disse o menino dia desses, ao passar de carro com os pais pelo local. Enquanto espera pelo próximo evento, no dia 19, a família se diverte em parques ou ruas menos movimentadas perto de casa. “Vejo que as famílias estão construindo seus próprios carrinhos”, diz Márcio Fernandes, de 46 anos, dono da Mulek de Rua, empresa que vende o brinquedo e organiza eventos em São Paulo, como o da Mooca. 

Segundo Fernandes, tudo começou há quatro anos, quando a filha Isabela, que tinha 8, ganhou um carrinho do avô, de 90. No Parque da Independência, na zona sul, o pai levou Isabela para um passeio com o brinquedo novo. “Achava que seria meia hora, mas durou a tarde inteira. Mais de cem pessoas pediram para andar no carrinho.” A ideia ganhou força: no mesmo parque, na semana passada, um evento de rolimã da Mulek de Rua reuniu mais de 5 mil. 

Conexão. Carrinhos estilizados como os dos Flintstones e da Penélope Charmosa e até modelos personalizados e tamanho família, como o do corretor de seguros Luis Fernando da Cruz, de 50 anos, fazem sucesso. “Queria uma forma de tirar minha filha do iPad e do celular. Fui ao Gasômetro (no Brás), comprei madeira, parafusadeira. Ela ficou até 23 horas fazendo comigo. Hoje, a gente vai a todos os passeios e fica o dia inteiro”, diz ele, pai da Marina, de 12. Cada um com seu brinquedo, mãe, pai e filha até viajam a Vinhedo, no interior, onde há corridas mensais. Querem trocar de carro (o de verdade), mas estão preocupados se os carrinhos vão caber no novo veículo. 

“Meu pai sempre falava das brincadeiras de antigamente, de onde descia. Queria ter nascido nessa época”, conta Marina, dona de um carrinho de rolimã cor-de-rosa. “Dá aquele frio na barriga, mas é bom”, diz ela, que garante ter caído só uma vez.

Pai e filha também enfrentam as ladeiras do bairro onde moram, na zona norte, e têm plateia. “Um monte de gente sai na rua para olhar.”

A moda também chegou ao Rio - onde ganhou ares de modernidade. Desde fevereiro, a molecada do bairro Santa Cruz, na zona oeste, se reúne todas as manhãs de domingo para descer uma rua de carrinho de rolimã. “Vão, em média, 50 carrinhos”, diz o funcionário público Demétrio Martins, de 50 anos. O grupo escolheu um nome - Velozes da Ladeira -, tem até fórum no WhatsApp, mas dificuldade em iniciar os jovens na marcenaria para confeccionar o brinquedo. “Muito pai de 30 anos não sabe a diferença entre prego e parafuso.”

O aposentado João Carlos Slaviski, de 71 anos, deu uma mão ao filho, de 35. Os dois e o neto Miguel, de 5, foram pela primeira vez a um evento de rolimã no ano passado, na zona norte de São Paulo, com o próprio carrinho feito em casa e, depois disso, não pararam mais. “Antes, usava até parafuso enferrujado. Hoje, é mais sofisticado, tem freio”, compara Slaviski. Apesar de mais “gourmet”, a nova velha brincadeira não decepciona. “É gostoso. E o corpo fica leve, levinho.”

Sucata pode virar carrinho

1. Pagos. Carrinhos de rolimã são vendidos em lojas online. Custam, em média, R$ 220.

2. Mão na massa. Confeccionar o próprio carinho conecta pais e filhos. Meça a altura de quem vai usar - a perna não deve ficar nem muito esticada nem muito dobrada. 

3. Sucata. Junte pedaços de madeira para o assento e os eixos. Uma dica é buscar em obras. É possível pedir as rodinhas em oficinas, mas também há opções à venda.

4.Vídeo. Para montar, é preciso serrote, prego e parafuso. Na web, vídeos mostram como fazer.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Escolas de SP usam carrinho de rolimã para ensinar Física a crianças

Brinquedo ajuda a trabalhar conceitos como velocidade e atrito

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2018 | 03h00

A professora de Física Viviane Tanaka ri ao lembrar da primeira vez em que propôs aos alunos do ensino médio do Colégio São Francisco Xavier, na zona sul paulistana, a confecção de carrinhos de rolimã. “Alguns não tinham noção do que era. Tive de apresentar vídeo, foto.” Outros conheciam, mas duvidaram de que seriam capazes de fazer o brinquedo. Mesmo em meio a tanta estranheza, o projeto saiu do papel e este será o terceiro ano em que os estudantes vão ao Parque da Independência para testar suas engenhocas. 

Desde a confecção - no espaço maker da escola - até o dia das descidas no parque, os alunos aplicam conceitos de Mecânica, como atrito, velocidade e deslocamento. Já com a Trigonometria, determinam a inclinação da ladeira. As medidas das descidas quase nunca resultam em valores redondos, como os exercícios das provas e apostilas - e isso não é um problema. “Dá um número maluco, mas isso é Física de verdade.” 

Na Escola Móbile, também na zona sul, o carrinho é usado desde 2017 como recurso pedagógico entre crianças de 5 anos. Elas descem rampas no colégio e associam, por exemplo, a força do empurrão do colega à extensão do deslocamento. “Trabalhamos uma série de práticas da Ciência e Engenharia”, explica Marcel Bozzo, coordenador pedagógico de Ciências Naturais da Móbile Integral. 

Segundo Bozzo, após um semestre de atividades, as crianças se revezam para levar os carrinhos para casa. Um QR Code (código de barras) no brinquedo reúne fotos e vídeos das brincadeiras dos pequenos com seus pais. Há imagens em condomínios e parques da cidade. 

História. “Brinquedos como o rolimã ativam memórias de fazeres, de outras possibilidades de brincadeiras. Há um encontro de gerações”, diz a educadora e agente do brincar Daniela Signorini. Para ela, que pesquisou na Universidade de São Paulo (USP) a relação entre brincadeiras do passado e recentes, eventos com o rolimã são uma tentativa de “retomar a rua como espaço de encontro”.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.