Debate é comentado nas redes sociais

Ausência de Dilma no evento promovido pelo ''Estado'' e pela TV Gazeta foi principal alvo dos[br]internautas

Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 00h00

A ausência da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, no debate de ontem promovido pelo Estado e pela TV Gazeta adquiriu destaque nos comentários que circularam pelas mídias sociais antes, durante e depois do programa.

Primeira colocada nas pesquisas de intenção de voto, a candidata alegou incompatibilidade de agenda e, por isso, não compareceu. Foi a segunda vez que Dilma se ausentou de um debate na TV.

Antes mesmo de o debate começar, vários internautas se manifestaram em relação à falta da petista ao encontro - o quarto embate entre os presidenciáveis.

Críticas. Os candidatos José Serra (PSDB), Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) não deixaram de desferir críticas sobre ausência de Dilma. O candidato do PSOL foi o que mais alvejou a petista com provocações sobre tal atitude. Elas serviram de endosso para que os internautas intensificassem as tuitadas e rendessem ao debate #estadaogazeta uma posição no Trending Topics do Brasil, onde são elencados os assuntos mais mencionados no Twitter em âmbito nacional.

Outra menção feita por meio da hashtag do debate Estadão/Gazeta foi de Marcelo Tas, jornalista do programa CQC da Rede Bandeirantes. O jornalista elogiou o encontro entre os presidenciáveis Serra, Marina e Plínio.

Militantes dos debatedores também teceram seus comentários na rede, abordando os pontos altos de seus respectivos candidatos, além de criticarem o não comparecimento da petista no debate Estadão/Gazeta.

O candidato à vice de Serra, Índio da Costa (DEM), não poupou a principal adversária dos tucanos, Dilma Rousseff, quanto à ausência, criticando-a via Twitter no decorrer do embate. O mesmo fez a equipe de campanha do candidato do PSOL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.