Debate foi "desserviço" para população, avalia membro da OAB

O debate de presidenciáveis exibido pela TV Globo na noite da quinta-feira (28), do qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não participou, foi "um dos piores" já feitos e um "desserviço" para a população, avaliou o presidente da Comissão de Direito Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, advogado Everson Tobaruela. Para ele, a realização de um debate sem Lula, candidato à reeleição que está em primeiro lugar em todas as pesquisas, não tem sentido. Porém, considerou que sua avaliação tem duas vias. "Em termos ´marqueteiros´, a atitude de Lula em não comparecer foi extremamente inteligente, pois ali ele seria um ´telhado´ para se jogar pedra. Mas como cidadão e eleitor, eu fico indignado de ver que o Brasil não tem regras para ajudar no esclarecimento da população durante o processo eleitoral".O advogado defende que os candidatos sejam obrigados a comparecer aos debates e que a intermediação seja feita pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Ele lembrou que o TRE já coordena "direitos de resposta", exibidos durante o horário político. Só assim, na percepção de Tobaruela, o eleitor estará seguro de que todos os principais candidatos irão apresentar suas propostas em um debate televisivo - que tem muito mais audiência do que o horário eleitoral gratuito.Para ele, o debate de ontem "não vai alterar em nada" as posições atuais dos principais candidatos à presidência. O programa tampouco contribuiu para elevar as chances de um segundo turno, segundo ele. "Os candidatos ficaram mais preocupados em se agredir do que apresentar propostas", afirma. A OAB em São Paulo prepara um estudo com análises dos partidos e dos sistemas políticos em cerca de 240 países, com previsão de conclusão no final deste ano.Segundo Tobaruela, a pesquisa mostra como o sistema eleitoral do Brasil "pinça" características dos sistemas de outros países para formar o seu próprio, ao invés de elaborar uma estrutura política própria e coerente com sua conjuntura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.