Debate tem clima tenso e candidatos se irritam

Poucas propostas, guerra de números e troca de ataques e provocações, que em alguns momentos quase terminaram em bate-boca, marcaram na noite deste domingo o primeiro debate do segundo turno da eleição presidencial, na TV Bandeirantes.Em tom agressivo, até então inédito na campanha, o candidato tucano, Geraldo Alckmin, cobrou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre todos os escândalos de corrupção. Lula quis saber do adversário sobre CPIs barradas em São Paulo, fez ataques ao governo Fernando Henrique Cardoso e comparações de ações sociais.Termos como ?não diz a verdade?, ?fraco? e ?leviano? intercalaram perguntas e respostas durante um debate quente. Na maior parte do tempo, o tucano atacou e o petista se defendeu.Isso porque quase dois blocos inteiros foram dedicados ao dossiê Vedoin - que seria comprado por petistas para incriminar tucanos envolvidos na compra de ambulâncias superfaturadas.Alckmin estava preparado com perguntas afiadas e agressivas sobre ética; Lula respondeu com ataques. Enquanto era questionado, as câmeras mostravam Lula irritado com as questões. Nas respostas, Alckmin olhava para as câmeras, focando nos telespectadores; Lula olhava o tempo todo para o candidato tucano.Ler ou não lerO clima esquentou no segundo bloco. Alckmin disse que Lula precisava ler suas perguntas e respostas e, ao ser atacado por Lula, disse: "Quem escreveu aí, escreveu errado". O petista se defendeu dizendo: "Não tem problema ler, não fiquei decorando, não fiz curso de psicodrama".Os assuntos finais do bloco anterior foram retomados. Alckmin continuou atacando com o dossiê e Lula com a instauração das 69 CPIs.A leitura de perguntas e respostas, destacada por Alckmin, incomodou Lula em várias ocasiões. Algumas vezes disse que fazia questão de ler para apontar os erros do tucano.Direito de respostaO primeiro direito de resposta foi pedido no segundo bloco. Lula reclamou que foi chamado de mentiroso. Alckmin ameaçou pedir também. O direito de resposta não foi autorizado pela produção do programa e a intenção de Alckmin ficou por isso mesmo.A irritação de Lula ficou cada vez mais evidente, principalmente quando Alckmin questionou o uso do cartão corporativo. "Não seja leviano, Alckmin, não seja leviano", disse Lula. O tucano também se alterou e respondeu alto e fora do microfone: "Respeito!, Respeito!"(Claudia Ribeiro, Gisele Silva, Mel Bornstein, Paulo Toledo Piza, Carolina Freitas e Danilo Gregório)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.