Debate teve clima de final de campeonato

O clima entre os convidados do debate dos presidenciáveis na TV Bandeirantes deste domingo era de final de campeonato de futebol. Toda a torcida estava mobilizada e cada torcedor exibia sua fé cega no time. Enquanto Sérgio Guerra, coordenador da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB), dizia possuir dados indicando que a preferência dos eleitores subiu e vai continuar subindo no sul do País, ao lado dele, Jacques Wagner, recém-eleito governador da Bahia, jurava: os votos de Lula (Luiz Inácio Lula da Silva, do PT) na Bahia estão subindo e atingirão 77% do total de eleitores.Líderes tucanos comemoraram o debate antes mesmo dele acabar. Para eles, o fato de o presidente Lula se expor ao vivo já podia ser considerado uma vitória. "Deixou de ser uma exposição de plástico e artificial", disse Alberto Goldmann, recém eleito vice-governador de São Paulo. "Foi possível mostrar a personalidade e o conhecimento de cada um." O senador Artur Virgílio bateu na mesma tecla: "Essa é a primeira vez, em quatro anos de governo, que Lula se expõe frente a um oponente."A ministra Dilma Roussef, de Minas e Energia, saiu com ar indignado do estúdio onde aconteceu o debate. Ela acusou o candidato tucano de ter agido de "má-fé" quando disse que no governo Lula não ocorreu apagão no setor de energia elétrica porque o Brasil não cresceu. "Nós não tivemos apagão porque planejamos e investimos", disse, em tom bem alto.Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo e atual coordenadora da campanha de Lula na cidade, comentou o desempenho de Alckmin com ironia: "Fiquei decepcionada. O Alckmin parecia um candidato de plástico. Bem treinado, mas de plástico. Mostrou que não conhece o Brasil, que não tem perfil de estadista."Roberto Freire, presidente do PPS, elogiou o tom indignado e ofensivo que seu aliado Alckmin adotou em boa parte do debate: "Alckmin apenas citou fatos relacionados à corrupção no atual governo. Mas citou com indignação, indignação justa diante dessa fraude que foi o governo Lula. Essa indignação é minha e de todo o povo brasileiro. E eu posso falar isso, porque votei em Lula em 2002."Clima tenso durante debateNa sala VIP, onde ficou parte dos convidados da Band, o clima era de muita atenção, com poucas manifestações a favor ou contra os candidatos. Um dos raros momentos de descontração foi quando Lula disse que se o presidente dos Estados Unidos, George Bush, tivesse o bom senso que ele tem, não teria feito a guerra do Iraque. No meio da torcida tucana, ouviram-se gargalhadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.