Decepção com a presidente será 'inevitável', segundo 'Guardian'

Já o 'Financial Times' prevê que 'o Brasil sem o presidente Lula pode se tornar mais turbulento'

Gabriel Manzano, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2010 | 00h00

Os próximos quatro anos "serão mais difíceis" para a presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), do que foram para Luiz Inácio Lula da Silva. E depois dos oito anos de Lula, ela terá "uma lua de mel mais curta" e "inevitavelmente decepcionará". As duas opiniões foram dadas em editorial, ontem, por dois respeitados jornais ingleses, The Financial Times e The Guardian.

Este último diz que a decepção é inescapável porque "após dois mandatos, Lula tem o status de uma entidade divina no País". Ao contrário dele, Dilma é "uma tecnocrata de estilo rápido e direto" que assumirá o poder "em circunstâncias diferentes e com habilidades diferentes". Para o Guardian, os assuntos administrativos não devem lhe criar problemas, "mas os políticos poderão". É que "a bajulação e a sedução não são o que ela faz melhor, embora ela chegue ao poder com maioria nas duas casas do Congresso".

O jornal adverte para uma armadilha: o boom econômico pode trazer problemas, com a ameaça de desindustrialização, se o País continuar sendo apenas exportador de commodities e não investir em produção mais sofisticada. "Os recursos da exportação vêm de produtos primários como minério de ferro, petróleo, soja e algodão". Mas exportar carros, sapatos ou têxteis "são um caso diferente". Para eles terá de "lidar com desafios mais intratáveis - como salários, aposentadorias, sistema tributário e dívida pública, assuntos pelos quais Lula não se interessou".

"Menos popular". No seu editorial, o Financial Times prevê que, sem Lula, "o Brasil pode se tornar mais turbulento e menos popular". Diz ainda que "a capacidade de Lula de praguejar contra alguma coisa de manhã e elogiá-la de tarde" o ajudava a superar muitos problemas, como a corrupção. Mas Dilma terá dificuldades em manter sua coalizão partidária, "a não ser que Lula mexa os pauzinhos nos bastidores".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.