Decisão sobre caças sai até o fim deste mês

Escolha deve avaliar exposição de motivos do ministro Nelson Jobim e a opinião do Conselho de Defesa Nacional; só depois Lula se manifestará

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2010 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai anunciar a decisão formal na escolha do F-X2, novo caça de alta tecnologia da Força Aérea, até o fim do mês. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, que havia anunciado o prazo de 30 dias em abril, renovou seus votos ontem, em São Paulo, pouco antes de viajar para o Equador, Rússia e Irã. "Há boas chances", disse.

Jobim revelou também que os preços baixaram "significativamente" na definitiva rodada de ajuste das ofertas. O valor estimado pode chegar a cerca de 6 bilhões, financiados até 2029 se for seguido o modelo adotado na compra dos quatro submarinos Scorpéne e mais o casco de um modelo nuclear.

De acordo com o ministro, é preciso cumprir uma certa liturgia no processo. "Há três momentos na decisão: o da consolidação da minha exposição de motivos, em fase de conclusão; o envio ao presidente que, então, convocará o Conselho de Defesa Nacional - o conselho é consultivo e opinará -; só depois o presidente decidirá. É esse o ritual."

Glamour. O momento também é bom para o calendário do presidente Lula. Fazendo a escolha agora, ele vai ficar com a parte glamourosa e festiva do processo sem pagar nada da conta. Os primeiros desembolsos, mesmo o "downpayment" - antecipação de recursos para as operações preliminares - ficará para 2011, com novo presidente.

Qualquer que seja o vencedor (o francês Rafale, o sueco Gripen ou o americano F-18 E/F) haverá um evento para a assinatura dos acordos entre governos. Nicolas Sarkozy, presidente da França, declarou que se o Rafale for selecionado, ele virá ao País.

O ajuste dos contratos secundários, que darão eficácia à encomenda inicial de 36 aviões, exigirá pelo menos oito meses, talvez mais que isso, de discussões.

O advento dos caças vai permitir à aviação militar a redistribuição dos esquadrões de combate. Um novo grupo de supersônicos F-5 EM será transferido da região Sul para Manaus, seguido por um esquadrão de bombardeiros A-1, o AMX. O Nordeste e o Centro-Oeste também receberão unidades de ataque.

A prazo

O financiamento dos novos caças será estendido até 2029. Cinco presidentes da República vão pagar a conta, estimada em cerca de 6 bilhões, envolvendo aviões e acesso à tecnologia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.