Declaração de empregada complica situação de Carla

A revelação feita por uma empregada da advogada Carla Prinzivalli Cepollina, de 40 anos, pode complicar ainda mais a situação da principal suspeita do assassinato do namorado, o coronel e deputado estadual Ubiratan Guimarães no dia 9 de setembro. Na última quinta-feira, 21, a empregada, que lavou as roupas usadas por Carla no dia do crime, declarou que as peças apresentavam manchas vermelhas. A polícia suspeita que seja sangue. A perícia analisa se as roupas, entregues dois dias depois do crime à polícia, contêm vestígios de sangue e metais (que apontariam vestígios de tiro). Esse é um dos quatro depoimentos que relacionam Carla ao crime. Os outros três são de moradores do prédio do coronel que escutaram o disparo no momento em que ela estava no apartamento. Carla, que prestou um quarto depoimento nesta segunda-feira, 25, volta a depor a partir das 10 horas desta terça-feira, 26, no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), quando, então, deve ser indiciada (acusada formalmente) por homicídio duplamente qualificado: motivo fútil (ciúmes) e impossibilidade de defesa da vítima.No depoimento desta segunda-feira interrompido por volta das 16h30, depois que Carla alegou cansaço, a advogada voltou a negar a autoria do crime, o que já havia feito nos três depoimentos anteriores. Ela deixou o local acompanhada de sua mãe, a também advogada Liliana Prinzivalli, e do advogado criminalista, Antonio Carlos de Carvalho Pinto.De acordo com o advogado Vicente Cascione, que representa a família de Ubiratan, Carla deve admitir a autoria do crime nesta terça-feira. Para ele, o cerco à suspeita se fechou. ?Manter a negativa diante de provas tão contundentes não seria de bom senso.? Cascione alega que durante o depoimento desta segunda-feira, ela entrou em contradições.A presença de Cascione no local também impediu a conclusão do quarto depoimento de Carla nesta segunda. Liliana, a mãe de Carla, exigiu que o delegado mandasse Cascione exibir a carteira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a procuração dos filhos da vítima para que pudesse permanecer na sala. Depois da discussão, o delegado Marco Antônio Olivatto parou o interrogatório. ArmasApós a interrupção do depoimento, o delegado decidiu fazer uma busca na casa em que Carla mora com a mãe, Liliana, para tentar achar o revólver usado no crime. Com um mandado de busca e apreensão concedido pelo juiz do 1º Tribunal do Júri da capital, Richard Chequini, os policiais encontraram pelo menos duas armas. Mas, segundo o Estado apurou, provavelmente não se trata do revólver calibre 38 usado no crime. Por volta das 23h30, quatro carros do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deixaram o prédio de Carla levando objetos encontrados no local. Indícios incriminam CarlaMesmo acusada da morte, Carla deverá continuar solta. Segundo Cascione, é correto que ela responda em liberdade porque não oferece motivos para a prisão - ela entregou o passaporte à Justiça e não escondeu provas. A acusação, segundo o delegado Armando de Oliveira Costa Filho, chefe da Divisão de Homicídios, é resultado de um conjunto de provas que ele não divulgou por causa do sigilo de Justiça. Mas Cascione listou vários indícios que ?se robusteceram e viraram provas?. Ela foi a última pessoa a estar com o coronel; só deixou a casa por volta das 20h30, quando o militar já estava morto. Ou seja, cerca de uma hora depois que vizinhos ouviram barulho semelhante ao de um tiro; não voltou ao local após saber da morte; atendeu ligações da delegada federal Renata Madi, o que teria motivado a discussão entre o casal.E, por último, segundo Cascione, Carla limpou os vestígios de sua presença. ?Ela tirou tudo o que havia da casa dele, como alguém que vai embora e não vai voltar nunca mais.?IndiciamentoO indiciamento é a peça formal em que uma pessoa é apontada como autora do crime. O passo seguinte será a produção do relatório final do inquérito policial e seu envio ao Ministério Público Estadual (MPE).Com o relatório, o promotor Luiz Fernando Vaggione decidirá se denuncia ou não Carla à Justiça. Caso o faça, e a Justiça aceite seus argumentos, Carla será processada criminalmente e poderá ir a júri popular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.