Decorador é encontrado morto em casa

No bem-montado apartamento da Rua Gravataí, na Consolação, gavetas reviradas e objetos fora do lugar eram indícios de que alguém vasculhara o apartamento à procura de algo de valor. No quarto, sobre um tapete persa, estava o corpo nu do decorador e promotor de eventos Carlos Armando Forino Rodrigues, de 61 anos, freqüentador de colunas sociais dos principais jornais do País. Muito sangue espalhado. E muitas dúvidas sobre a morte, descoberta na manhã de ontem. Rodrigues tinha sido visto pela última vez no sábado, durante almoço com um grupo de amigos. No fim da tarde, de carona, seguiu para seu apartamento e chegou a falar com um colega, pelo celular, às 20h30. Com vida social agitada, havia combinado jantar com outro amigo, que ligou várias vezes para ele na noite de sábado, mas não conseguiu conversar com o decorador.Veja reportagem completa no Estado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.