Decore a sua casa sem dor de cabeça

Com bom planejamento, o proprietário valoriza o imóvel e evita gastos desnecessários

, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

E eis que chega a hora de se mudar para a nova casa. Mas casa nova requer nova decoração. A tarefa, porém, não deve ser encarada como um sinônimo de dor de cabeça. Com uma boa decoração, o consumidor valoriza o imóvel e o torna mais aconchegante. O bom planejamento ainda serve para evitar gastos desnecessários com objetos que, às vezes, nem se adaptam à casa nova. Atenção com as armadilhas, recomenda a arquiteta e decoradora Jóia Bergamo. Para escapar dos problemas, afirma ela, é preciso ter um projeto nas mãos. ''Normalmente, as pessoas que não contratam um profissional tendem a comprar objetos e mobiliários maiores do que o espaço comporta. É o tradicional ''peru no pires'' que se costuma dizer. Não compre pela empolgação. Tire as medidas e confira bem se estão corretas'', alerta Jóia.O profissional também pode dar boas dicas e ajudar com a iluminação da casa. A iluminação embutida em gesso, por exemplo, permite ter vários circuitos, o que irá gerar uma economia no bolso do futuro proprietário, já que ele acenderá uma lâmpada de cada vez. ''Gosto de misturar lâmpadas PAR20, dicroica e AR70. Elas se harmonizam entre si'', diz a arquiteta. Sobre as cores, sugere as claras, que tornam o ambiente agradável para receber parentes e amigos. Prepare o espírito para achar o profissional certo. Converse com vizinhos, amigos e parentes que já recorreram ao trabalho de decoradores e arquitetos. Depois, marque uma entrevista. Ela não é cobrada. Dessa forma, o consumidor irá esclarecer o quanto pode gastar no projeto e como deseja decorar a casa nova. ''Para obter um resultado melhor, procure, sempre que possível, um profissional. O produto final será outro'', garante Jóia Bergamo. Os preços variam de acordo com o profissional. Alguns cobram por metro quadrado; outros por hora técnica. Por isso, é essencial falar o quanto se pretende gastar no total, incluindo as despesas com o projeto e a execução. Com base nessas informações, o decorador saberá quanto vai cobrar e o tipo de obra que é possível fazer com o orçamento disponível. O contrato de trabalho merece cuidado redobrado, pois nele devem constar todos os detalhes da obra. As responsabilidades do profissional precisam estar expressas de maneira clara, assim como os prazos de entrega, o preço, a forma de pagamento e as consequências de uma eventual rescisão. Exija documentos relativos à situação jurídica do contratado. Pelo CPF, é fácil identificar se existe alguma ação judicial contra o sujeito ou se ele está com o nome sujo na praça. Bom senso e diálogo são importantes em caso de imprevistos após a contratação do profissional. Ao escolher o revestimento, o proprietário deve levar em consideração os outros itens da casa. No mercado, há produtos artesanais, além de grafismos e mosaicos que são obtidos com pastilhas. É aconselhável comprar todo o material de uma só vez. Assim, não fica com peças com cores diferentes. O comprador pode verificar a qualidade do revestimento pela classe de abrasão superficial (PEI), que indica se o produto se destina para as áreas internas ou externas da casa, além de medir a sua resistência de 1 a 6. Revestimentos com PEI mais alto representam produtos mais resistentes. As famílias que acabaram de comprar um imóvel, e estão com poucos recursos, podem tirar proveito de outras maneiras, sem precisar recorrer ao trabalho de um arquiteto ou decorador. ''Quem estiver com pouco dinheiro pode buscar materiais com custos mais baratos, mas que também são de qualidade, como tinta, espelho e tecido. Vale reaproveitar aquilo que já tem, com um toque de criatividade'', ensina Jóia Bergamo. Veja, ainda, se os objetos esquecidos no fundo da garagem não podem ter algum tipo de utilidade. O comprador também não precisa decorar a casa assim que adquiri-la. ''O planejamento detalhado das despesas ajuda o cliente a não se atrapalhar com as prestações da moradia, que são de extrema relevância para o mutuário não ficar inadimplente com a Justiça e correr o risco de perder a propriedade'', acrescenta o consultor da Associação Brasileiras de Moradores e Mutuários (ABMM), Wilson Gomes. PASSO A PASSONão compre por impulso.Faça um bom planejamento Elabore um projeto com um profissional especializado Evite gastos desnecessários com objetos que, às vezes, não se adaptam à casa nova Tire as medidas do imóvel e verifique se estão corretasQuando pintar a moradia, escolha cores claras Escolha o revestimento que combine com os itens do imóvelQuem estiver com pouco dinheiro deve usar materiais com custo mais barato, como tinta, espelho e tecidoReaproveite objetos esquecidos na garagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.