Decretada prisão de suspeito de matar menina em briga de trânsito

O juiz João Carlos de Sá Moreira de Oliveira, do 5º Tribunal do Júri, decretou nesta terça-feira a prisão temporária, por 30 dias, de Rodrigo Henrique Farrampa Guilherme, de 22 anos, suspeito do assassinato da menina Tainá Alves de Mendonça, de 5 anos. Reconhecido por meio de fotografia por uma testemunha do crime, ocorrido no domingo à noite, na zona oeste de São Paulo, Guilherme continua foragido. Tainá foi enterrada hoje no cemitério da Paz. A família não quis conceder entrevistas."Ele não iria ficar por aí depois do crime que cometeu", afirmou o delegado João Baptista de Araújo titular do 14º Distrito Policial, em Pinheiros, antes de o juiz decretar sigilo nas investigações.A polícia ainda não identificou o homem, a mulher e a criança que acompanhavam Guilherme no momento da briga de trânsito. Hoje a mãe do suspeito, Maria Conceição Farrampa, depôs no 14º DP. Ela afirmou que Guilherme está desempregado e não soube dizer o que ele faz para viver. O acusado nunca foi preso. "A mãe diz que ele é ´um bom menino´ e estudou até o segundo ano do colegial."Maria Conceição repetiu aos policiais o que disse segunda-feira): não vê o filho há 15 dias. A reportagem apurou, entretanto, que vizinhos viram o rapaz em casa, na região da Represa de Guarapiranga, na zona sul, horas depois do crime.Esse trecho do depoimento de Maria Conceição não convenceu a polícia. "Ela deve estar mentindo quando diz que não o vê há mais de três semanas", disse o delegado. Araújo baseia a suspeita no depoimento da dona de casa Michelli Cavalcante Mendes, em nome de quem estava o Monza placa BRF-5806 dirigido por Guilherme na hora do crime. Michelli contou-lhe, na segunda-feira, que falou com a mãe do rapaz por telefone no domingo, após ter sido procurada pela polícia. "Michelli afirmou que a mãe lhe disse que o filho passou todo o domingo em casa."

Agencia Estado,

13 de agosto de 2002 | 20h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.