Decretada prisão preventiva de radialista acusado de pedofilia

A juíza Valéria Lacrasta, da 2ª Vara Criminal de Serra Negra, no interior de São Paulo, acatou denúncia do Ministério Público e concedeu prisão preventiva contra o radialista João Roberto Gasparini, acusado de pedofilia.Ele responde a processos por atentado violento ao pudor, corrupção de menores e por infringir o Estatuto da Criança e do Adolescente, que proíbe a exposição de imagens eróticas de menores. Gasparini foi preso há cerca de um mês, depois de uma denúncia anônima.Uma carta foi enviada à polícia com cópias de 70 fotografias que mostravam o radialista praticando sexo com adolescentes. Uma busca foi feita em sua casa e pelo menos outra 30 imagens foram encontradas. A polícia identificou 11 adolescentes que apareciam nas fotos, todos foram ouvidos e confirmaram ter mantido relações sexuais com Gasparini, mas apenas cinco jovens concordaram em fazer a representação contra ele.Desde então, o radialista ficou detido sob prisão temporária. Ele ocupa uma cela especial na cadeia de Serra Negra. Gasparini confessou à polícia que exibia as fotografias em um site, na internet, acessado por 60 internautas do Brasil e do exterior.Mas alegou que o grupo era fixo e que para acessar a página era preciso de senha. Os adolescentes revelaram que recebiam entre R$ 40 e R$ 70 para manter relações sexuais com o radialista. Ele nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.