Decretada prisão temporária de suspeito de matar modelo

A Justiça de Minas Gerais decretou a prisão temporária do ex-policial civil e detetive particular Reinaldo Pacífico de Oliveira Filho, suspeito de ser o autor do assassinato da modeloCristiana Aparecida Ferreira, encontrada morta em um flat de luxo da capital mineira emagosto de 2000.O pedido de prisão foi feito nesta terça-feira pelo Ministério Público, que reabriu o caso em novembro do ano passado, contestando o laudo final da Polícia Civil que apontou o suicídio por ingestão de veneno para ratos como causa da morte de Cristiana.Os promotores que investigam o caso estão convictos de que a modelo foi assassinada. O detetive foi namorado de Cristiana e, segundo a apuração do MP, teria sido visto deixando o Flat San Francisco, na zona Sul de Belo Horizonte, no dia 6 de agosto, data em que provavelmente ela teria sido morta.Nesta quarta-feira, o advogado de Pacífico, Marco Túlio Rodrigues de Souza, solicitou a revogação da prisão temporária para seu cliente, com o argumento de que ele estaria em seu escritório, no centro de Belo Horizonte, à disposição da Justiça.?Já estamos entrando com um habeas-corpus para provar que isso foi um ato unilateral, um absurdo e um abuso de poder dos promotores?, disse o advogado. Durante toda a tarde, policiais vigiaram o prédio onde funciona o escritório do advogado, mas o detetive não foi localizado.A prisão temporária teria sido pedida pelo juiz-sumariante do I Tribunal do Júri, Nelson Missas, porque os promotores desconfiavam que o detetive tivesse a intenção de deixar o País. Pacífico prestou depoimento aos promotores no dia 27 de dezembro do ano passado. Ele negou que tivesse agredido e ameaçado de morte a modelo, comoacusaram familiares dela, e que tenha qualquer relação com a sua morte. O promotor Francisco Assis Santiago foi, na época, enfático ao dizer que não ficou convencido de sua inocência.A morte de Cristiana ganhou grande repercussão porque a modelo mantinha contatos com várias autoridades do Estado. O presidente da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), o ex-secretário de Governo e Assuntos Municipais Henrique Hargreaves e o ministro do Turismo, Walfrido dos Mares Guia, prestaram depoimentono caso.No último dia 19 de dezembro, o corpo de Cristiana foi exumado no Cemitério daGlória, em Contagem, região metropolitana da capital mineira. Segundo o médico-legistada Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Roberto Pereira Campos, uma análise preliminar do material recolhido indica que há fraturas nos ossos do crânio e sinais de sangramento no nariz, o que conformaria a suspeita de que ela teria sidoagredida antes de morrer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.