Defensoria Pública certificará valores de indenizações

O valor que a apólice do seguro entre o Consórcio Via Amarela e a Unibanco AIG prevê para indenizações por danos morais e materiais estará na pauta da primeira reunião deles com a Defensoria Pública, a Secretaria Estadual de Justiça e a Companhia do Metropolitano, marcada para esta segunda-feira.No documento, o qual o Estado teve acesso, a cobertura de danos materiais indica a importância segurada de R$ 20 milhões e a de danos morais, R$ 4 milhões. Seriam, portanto, R$ 24 milhões no total para o pagamento das famílias desalojadas e de vítimas do acidente na futura Estação Pinheiros da Linha 4-Amarela do Metrô.Ocorre que, nos primeiros contatos com o governo, a interpretação da seguradora foi a de que os R$ 4 milhões estariam embutidos nos R$ 20 milhões. Foi essa a versão oficial divulgada pelas autoridades, que será rediscutida. Segundo fontes do governo, no entanto, a discussão não chega a preocupar porque o consórcio sinaliza que, provavelmente, não dificultará os pagamentos.Pelas regras contidas na apólice, a seguradora deve participar e aprovar os acordos extrajudiciais feitos entre familiares e consórcio, inclusive os valores. Se houver acerto, a Unibanco AIG tem até um mês para indenizar. Se houver ação judicial, a apólice prevê que a seguradora só fará o pagamento se a ordem vier de decisão judicial e não houver mais recursos cabíveis - o que demora anos.

Agencia Estado,

22 de janeiro de 2007 | 07h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.