Defensoria Pública pede explicações sobre exercícios da Marinha

57 recrutas foram internados após síndrome respiratória durante treinamento no Rio

Tiago Rogero, estadão.com.br

22 Agosto 2011 | 14h37

RIO - A Defensoria Pública da União vai oficiar a Marinha, a secretaria municipal de Saúde do Rio e a direção do Hospital Naval Marcílio Dias, na zona norte da cidade, onde estão internados os 57 recrutas que tiveram uma síndrome respiratória durante treinamento do curso de formação de fuzileiros navais. A medida, segundo o defensor público Daniel Macedo, é para esclarecer o que provocou a internação dos jovens, na quarta-feira, 17.

 

A Defensoria vai pedir à secretaria informações sobre os exames de sangue realizados ontem. Do hospital, o defensor espera obter os primeiros boletins médicos, da chegada dos jovens à unidade. A análise, segundo ele, é preliminar, mas pode resultar em ações individuais, por danos morais, ou coletivas, para coibir possíveis excessos por parte das Forças Armadas.

 

Parte dos 57 recrutas internados no Hospital Naval Marcílio Dias deve receber alta nesta segunda-feira. Segundo o Comando do 1º Distrito Naval, detalhes sobre o número exato de pessoas liberadas devem ser divulgados no final da tarde.

 

Atualizada às 16h30

Mais conteúdo sobre:
Marinha recrutas sindrome respiratoria Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.