Defesa alega que Mohammed tem transtorno psicológico

Psicólogo contratado pelo advogado do acusado de matar inglesa diz que transtorno não pode ser curado

Central de Notícias,

14 de maio de 2009 | 16h04

Em depoimento nesta quinta-feira, 14, o psicólogo Fred Lacerda, contratado pela defesa de Mohammed DAli dos Santos, confirmou integralmente o parecer dado pelos profissionais do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) a respeito da saúde mental do réu, acusado de matar e esquartejar a inglesa Cara Marie Burke, em julho de 2008. De acordo com os diagnósticos, Mohammed é portador de transtorno de personalidade antissocial.

 

Veja também:

linkIrmão de jovem acusado de matar inglesa confirma ameaças

linkNamorada descreve Mohammed como 'calmo' e 'estranho'

linkJurados de caso de morte de inglesa já foram escolhidos

linkAcusado de matar inglesa é julgado em Goiânia 

 

O psicólogo, contratado como assessor técnico no laudo mental do réu, informou que submeteu Mohammed a uma entrevista de cerca de uma hora e com a ajuda de um médico indagou o réu a respeito do seu histórico, analisando, dessa forma, suas características e possíveis contradições. Relatou também que o transtorno do estudante é passível de melhora, mas não de cura, uma vez que não pode ser considerado uma doença.

 

"Em termos gerais, o problema de Mohammed é igual à psicopatia, mas clinicamente deve-se dizer transtorno de personalidade antissocial", afirmou. Questionado pelos jurados se uma pessoa portadora dessas características pode desenvolver um surto a qualquer momento e atacar alguém, o informante respondeu que sim, além de afirmar que assumiu os riscos de entrevistar o rapaz sem a presença de um agente carcerário. Fred disse, ainda, que uma pessoa com essas características tem consciência de seus atos, mas não é capaz de controlá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.