Defesa Civil alerta Estados para chuvas fortes até quarta-feira

Há também a possibilidade de ocorrência de descargas elétricas e de rajadas de vento de até 60km/h

Pedro Henrique França, da Agência Estado,

26 de novembro de 2007 | 18h34

Desta segunda-feira, 26, até quarta, 13 Estados, além do Distrito Federal, devem ficar atentos para as fortes chuvas que devem ocorrer neste período. O alerta é da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional, que chama atenção para temporais isolados com fortes chuvas em comunicado enviado às defesas civis dos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Minas Gerais, Espírito Santo, Pará, Rio de Janeiro, Piauí, Bahia e, ainda, o Distrito Federal.    Chuva deixa regiões SP em estado de atenção Chuva e excesso de carros complicam trânsito   Nesta segunda, áreas de instabilidade provocavam pancadas de chuva no oeste e centro-sul do Amazonas, no Acre, em Rondônia, além do Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e litoral norte de São Paulo.   Ainda nesta segunda, as fortes chuvas deveriam atingir o centro-sul do Pará, o Estado do Rio de Janeiro, o sul do Piauí, as regiões sul, centro e oeste da Bahia e também o Distrito Federal. Essa situação deverá se manter na terça nestes Estados.   Situação mais complicada era prevista nos Estados do Mato Grosso, Tocantins, Espírito Santo e nas regiões centro-norte de Goiás, leste e norte de Minas Gerais. Nestes Estados, a instabilidade começava nesta segunda e se estenderia até quarta-feira.   A Secretaria Nacional de Defesa Civil alertava também para a possibilidade do aumento das pancadas de chuva, acompanhadas de descargas elétricas e de rajadas de vento entre 50 e 60 quilômetros por hora. Portanto, recomenda-se que as defesas civis dos Estados alertados orientem a população para evitar áreas de alagamentos e, ainda, para o risco de deslizamentos de encostas e morros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.