Defesa Civil contabiliza 4 mil desabrigados pelas chuvas no RS

Em Porto Alegre neste domingo, o lago Guaíba atingiu situação de cheia e 20 casas foram evacuadas

Carlos Rollsing, especial para a AE,

13 de setembro de 2009 | 16h18

As intensas chuvas dos últimos dias deixaram 4.285 pessoas desabrigadas no Rio grande do Sul, conforme balanço da Defesa Civil, que segue retirando famílias de regiões ribeirinhas. Em Porto Alegre, na manhã deste último sábado, 12, o Lago Guaíba atingiu situação de cheia e 20 casas da Ilha do Pavão foram evacuadas. As pessoas buscaram acolhimento no salão de uma igreja.

 

Veja também:

linkEstrada em Santa Catarina é liberada para caminhões e ônibus

linkNúmero de mortes no Sul por chuvas chega a sete

linkSob temporais, falhas de estrutura e de emergência ameaçam São Paulo

 

A situação deve se agravar no decorrer da segunda-feira, 14, pois o manancial é ponto de escoamento dos afluentes Jacuí, Taquari, Caí, Sinos e Gravataí. A Ilha das Flores, também localizada na Capital gaúcha, já registra casas inundadas, mas até ontem à tarde ninguém havia sido removido.

 

A situação é crítica em Estrela e Lajeado, que contabilizam, respectivamente, 68 e 79 famílias desalojadas pela cheia do Rio Taquari, que chegou aos 11m acima do nível normal. Cinco ginásios das duas cidades recebem os afetados. O Rio dos Sinos já passou da marca de sete metros, quando começa a transbordar, ameaçando causar cheias em Taquara, São Leopoldo, Novo Hamburgo e Campo Bom, onde dez famílias tiveram de abandonar suas residências. A elevação do Rio Uruguai, em São Borja, para a marca de 8m79cm acima do nível inundou cerca de dez residências e bares próximos ao leito, conforme estimativa da Defesa Civil. As autoridades acreditam que o manancial continuará subindo, podendo chegar aos 11m além do normal, ocasionando situação de enchente generalizada. A situação também é preocupante em Iraí. O Rio do Mel estava subindo, ontem, cinco centímetros por hora. O balneário da cidade está tomado pela água, 15 casas foram inundadas e muitas lavouras ficaram submersas.

 

Na manhã deste domingo, o Estado tinha oito rodovias bloqueadas por conta da chuva. Porém, à tarde, o número caiu para seis. O caso mais grave ocorre no quilômetro 178 da BR-116, entre Nova Petrópolis e Caxias do Sul, na Serra, onde o trânsito deve permanecer interrompido por duas semanas em função da queda de uma barreira. Outro caso crítico acontece na Rota do Sol. Uma rocha está obstruindo o tráfego completamente no quilômetro 4 da rodovia. Para liberar o trânsito será necessária a detonação da pedra, o que deverá ocorrer na segunda-feira.

 

Aproximadamente 500 moradores da zona rural de Pelotas, no Sul do Estado, seguem sem energia elétrica devido aos temporais. O problema deverá ser solucionado hoje. As cheias já mataram duas pessoas no Rio Grande do Sul. Na madrugada de sábado, Adelmo Benhur Silveira, 45 anos, ficou preso no veículo e afogou-se ao tentar atravessar um ponto de enchente na cidade de Iraí, tomada pelas águas do Rio do Mel. Luciano da Silva, 25 anos, caiu da moto ao tentar passar por ponte alagada no limite entre Gramado Xavier e Boqueirão do Leão. A força da correnteza do Rio Pardinho arrastou a vítima por 300 metros.

Tudo o que sabemos sobre:
chuvasRSdesabrigados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.