Defesa de Edinho vai pedir novo habeas-corpus

O advogado Sidney Gonçalves, que defende o ex-goleiro Edson Cholbi do Nascimento, filho de Pelé, vai pedir no Tribunal de Justiça de São Paulo que seu cliente responda pelo crime de lavagem de dinheiro em liberdade. O pedido deve ser protocolado ainda esta semana. "Edinho já está solto no processo de associação ao tráfico, então não faz sentido que ele permaneça com a prisão preventiva decretada já que têm bons antecedentes e nunca se esquivou de comparecer aos chamados da Justiça", argumentou Gonçalves.Edinho foi preso por associação ao tráfico em junho do ano passado, acusado de envolvimento com o traficante Ronaldo Duarte Barsotti, Naldinho. Em dezembro foi libertado depois que o STF (Superior Tribunal Federal) concedeu habeas-corpus para que ele respondesse em liberdade. Em fevereiro deste ano, o ex-goleiro voltou a ser detido, desta vez acusado de lavagem de dinheiro. "Não há nenhum fato material que comprove o crime. Ele não tem dinheiro, não tem contracorrente e era mantido pelo pai", disse o advogado.Edinho prestou depoimento nesta segunda-feira, 26, à Justiça de Tremembé, no Vale do Paraíba, onde está preso. Em um depoimento de cerca de uma hora e meia ele alegou não ter qualquer ligação com a lavagem de dinheiro, crime associado ao tráfico de drogas. Depois de falar com o juiz Pedro Flávio de Brito Costa Júnior, na 2ª Vara Criminal de Tremembé, retornou à penitenciária Augusto César Salgado, "muito abatido", segundo o advogado. "Ele tem esperança na Justiça, acredita que será absolvido", continuou Gonçalves. Assim que deixou seu cliente na penitenciária, Gonçalves ligou para Pelé, que está na Alemanha. "Ele também está muito apreensivo com tudo isso, mas na esperança de que o filho seja libertado em breve". Gonçalves contou que fala com Pelé de duas a três vezes por semana para informá-lo sobre o desenrolar dos processos de acusação de Edinho. Há quinze dias a Justiça da Praia Grande, na Baixada Santista, decidiu que Edinho passe por exames toxicológicos para comprovar se é ou não usuário de droga. Os exames ainda não foram realizados, segundo o advogado, que informou ser este um procedimento que corre em sigilo. "Não posso dizer quando serão realizados".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.