Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Defesa de João de Deus tenta desqualificar autora de acusação

Toron diz que mulher tem passado ligado a prostituição e extorsão; Ministério Público já recebeu mais de 500 relatos contra o médium

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2018 | 22h47

GOIÂNIA - A defesa do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, acusado de abuso sexual e preso anteontem perto de Abadiânia (GO), pretende fazer uma devassa em depoimentos das vítimas para tentar tirar o crédito de acusações. O esforço, liderado pelo criminalista Alberto Toron tenta conter a enxurrada de denúncias. Já Ministério Público de Goiás disse ter recebido mais de 500 relatos de supostos abusos - 30 depoimentos já foram formalizados e podem se tornar inquéritos.

A defesa do médiu entrou nesta segunda-feira, 17, com pedido de habeas corpus. Diante das acusações, Toron tem repetido que é preciso analisar “o contexto” das denúncias contra seu cliente para saber se o depoimento de algumas dessas mulheres têm “crédito ou não”. Quando argumenta, o advogado cita como exemplo o depoimento de Zahira Leeneke Maus, uma coreógrafa holandesa que falou ao programa Conversa com Bial, da TV Globo. A reportagem deu início à série de denúncias que levou à detenção do líder espirital.

De acordo com Toron, a vítima teria um passado ligado à prostituição e à extorsão. “A comprovação desses e de outros fatos, se pessoas querem se aproveitar para pedir dinheiro ou não, se o passado dela a compromete ou não, tudo isso vai ter de ser analisado corretamente a partir da crítica a esses depoimentos.”

A defesa do médium disse que só teve acesso ao processo, que corre em segredo de Justiça, ontem. Mas nega que a intenção seja fazer qualquer tipo de “jogo sujo”. “Jogo sujo é alguém acusar falsamente outra pessoa de uma prática tão grave, o que estou querendo dizer, sem jogo sujo, é que precisamos fazer um escrutínio calmo para não linchar uma pessoa sem direito de defesa”, afirmou.

Caso o habeas corpus seja negado, a estratégia da defesa será pedir que se adotem medidas cautelares, em vez da prisão. Entre as opções cogitadas estão prisão domiciliar, colocação de tornozeleira e a proibição de exercer o ofício. “São medidas que acautelam o meio social, que preservam a possibilidade da prática de novos crimes, se é que eles existiram, com um método menos invasivo”, explicou Toron.

Prescrição preocupa promotoria.

O promotor de Justiça de Goiás Luciano Miranda, que integra a força-tarefa formada para investigar as denúncias, disse que os 30 novos depoimentos apontam para uma prática “reiterada” de três crimes: estupro, violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável. 

O promotor explicou também que vários relatos aconteceram nos últimos seis meses e, portanto, podem ser passíveis de punição. Isso porque uma das preocupações é que várias denúncias já tivessem prescrito ou perdido o seu prazo decadencial (período no qual a denúncia pode ser feito sem perder a punibilidade). 

Segundo o promotor, a inclusão do estupro de vulnerável pode se dar por existir relatos tanto do abuso de crianças como de pessoas que estavam com alguma enfermidade - e não poderiam “oferecer resistência”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.